“Varejo precisa tirar o ‘gap’ da tecnologia”, diz CEO do Banco Carrefour

0
40
Links Patrocinados

Crises financeiras sucessivas tiraram, ao longo dos anos, o poder de investimento dos varejistas no Brasil. Isso faz com que as empresas do setor precisem decorrer para se atualizar quando o tópico é inovação tecnológica. É um movimento inevitável, na estudo do CEO do Banco Carrefour, Carlos Mauad. “O varejo precisa tirar o ‘gap’ de tecnologia”, disse, durante a quarta edição do evento “Quando os presidentes se encontram”, realizada nesta terça-feira (20) pela Gouvêa Ecosystem.

O evento virtual, que reuniu mais de 60 CEOs de grandes empresas, teve porquê tema as “Transformações do mercado financeiro e seus impactos no varejo e consumo”. Além de Mauad, contou com a participação do presidente do Banco Original, Alexandre Abreu. A mediação foi do fundador e CEO da Gouvêa Ecosystem, Marcos Gouvêa de Souza, que também é publisher da plataforma Mercado&Consumo.

Para Mauad, as empresas do varejo não podem transfixar mão de atuar também na extensão de pagamentos, porque ela é mediano nos negócios. “O banco acaba sendo o braço que promove todas as soluções para o consumidor final, para os parceiros e para os fornecedores no que diz saudação a produtos finais e financeiros”, afirmou.

Apesar de sobresair o trabalho feito pelas fintechs e big techs, ele considera que os grandes bancos ainda são seus maiores concorrentes, por razão da ampla capacidade de investimento dessas instituições financeiras.

O executivo do Banco Carrefour destacou, ainda, o trabalho que vem sendo feito pelo Banco Médio do Brasil, responsável pelo desenvolvimento do sistema de pagamentos eletrônicos Pix, pelo cadastro positivo e pelo Open Banking. “É um caso único no mundo”, salientou.

Alexandre Abreu, presidente do Banco Original

A revolução do Pix

O presidente do Banco Original, Alexandre Abreu, também chamou a atenção para essas iniciativas. Para ele, o Pix revolucionou os meios de pagamento no Brasil e tem potencial de substituir até mesmo os cartões de débito e crédito, que são os preferidos pelos brasileiros.

“O Pix Saque tem um potencial gigantesco para substituir os caixas eletrônicos porque os estabelecimentos [comerciais] vão poder desovar o quantia do caixa casado com a compra. Também tem potencial para concorrer com os cartões de débito e crédito, com o agendamento de pagamento, por exemplo”, disse.

Abreu acredita que o transacção que não se adequar para receber o Pix não vai conseguir vender porque o consumidor quer usar o celular para remunerar. No Banco Original, 82% dos valores recebidos e 78% dos enviados já são feitos por esse meio.

Da mesma forma, o Open Banking, que está sendo implantado pelo Banco Médio, causará uma transformação no mercado. “O Open Banking tem potencial para aumentar muito a concorrência no mercado financeiro. Os bancos tradicionais sabem quando o cliente recebe, o que ele paga e o que ele faz com o quantia. Esses dados possibilitam que eles saibam qual é o melhor momento de oferecer um resultado. Já os digitais e as fintechs não possuem esse histórico.”

A segunda tempo do Open Banking, que foi adiada pelo BC, vai permitir que os clientes autorizem o compartilhamento de dados e façam a portabilidade com outros bancos e fintechs. “À medida que o cliente se conscientiza de que ele é o possuidor desses dados e que pode fornecer para quem quiser, [os bancos digitais e fintechs] vão poder formatar melhores ofertas”, afirmou.

Imagens: Divulgação

Links Patrocinados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui