Uberlândia registra mais de 1,4 milénio agressões a mulheres somente em 2021 – Quotidiano de Uberlândia

0
43
Links Patrocinados
Casos de violência contra a mulher são uma veras no Brasil, e com a pandemia do novo coronavírus os números crescem em todo o país. Em Uberlândia, a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) registrou 1.486 ocorrências de violência a mulheres, de janeiro a maio deste ano.

O número de boletins de ocorrência registrados de violência contra a mulher em 2019 chegou a 4.201. Em 2020, o número foi de 4.030.

Em março de 2019, a Prefeitura de Uberlândia lançou o aplicativo “Salve Maria”. O intuito é facilitar denúncias de violência contra a mulher. A utensílio permite que qualquer pessoa denuncie abusos por meio de um meato direto com a Polícia Militar (PM). Nos dois primeiros meses de funcionamento foram registrados 16 boletins de ocorrência e uma pessoa foi presa suspeita de agredir uma vítima.

O objetivo do programa é diminuir o número de ocorrências de agressões verbais, físicas ou psicológicas sofridas pelas mulheres na cidade. O número de downloads, de 2019 até 02 de julho deste ano, chegou a 13.131; O botão de pânico foi acionado 459 vezes e foram registradas 771 denúncias, até o momento.

O número de atividades realizadas pela ONG SOS Mulher, em 2020, registra 2.559 atendimentos, entre online e presenciais, dentre eles, atendimentos psicossociais, orientações jurídicas, pontuais e continuadas. Além de 732 atendimentos socioassistenciais e informações sobre os serviços realizados pela instituição, gerando, assim, 3.291 atendimentos.

“Desde março, nosso trabalho é feito online, e diversas mulheres têm usado essa utensílio para denunciar casos de violência. Através de Facebook, Instagram, WhatsApp e pelo telefone. A percepção que nossa equipe teve, além do aumento na procura dos serviços oferecidos, foi de que esses canais, além de trazer mais facilidade para a vítima no trajo de se sentir segura e fazer a denúncia, também é um facilitador para aquelas mulheres que estão em situação de baixa renda, e sem condições de ir até o sítio para o atendimento”, comentou Claudia Cruz, psicóloga da SOS Mulher.

Claudia ainda comentou que, quando receberam as denúncias, diversas mulheres relataram que os agressores usavam a desculpa de que por conta da pandemia, elas não conseguiriam receber ajuda ou suporte policial, pois os serviços estariam indisponíveis. “Neste período, recebemos diversos casos mais complexos e de riscos maiores, porquê (mulheres) ameaçadas de morte”, explicou.

“Na SOS Mulher, a vítima é acolhida no primeiro atendimento e, posteriormente analisado o caso, é realizado o direcionamento para a delegacia, se for o caso. Fazemos a orientação para que a vítima procure a Polícia para registrar o boletim de ocorrência”, contou Claudia Cruz.

Ela ainda reforça. “Nossos atendimentos funcionam normalmente de segunda à sexta-feira, com atendimentos psicológicos, jurídicos e de serviço social. As mulheres em situação de vulnerabilidade podem entrar em contato através das redes sociais”, ressaltou.

Os canais para denúncias inclusive anônimas são o disque 100 e 180. A SOS Mulher atende pelo (34) 3215-7862.

CASO DJ IVIS
Na noite de domingo (11), vídeos do DJ Ivis caíram na web mostrando-o agredindo a companheira, Pamella Gomes de Holanda. Ela publicou as imagens em seus stories do Instagram mostrando uma série de vídeos em que aparece sendo atacada com tapas, socos e chutes por eles. Em um deles, ela chega a ser agredida quando está próxima e até segurando a filha de nove meses do par. O caso ocorrido no estado do Ceará ganhou repercussão pátrio.

Segundo o PhD, neurocientista, neuropsicólogo e biólogo Fabiano de Abreu, as disfunções em regiões específicas do cérebro resultam em atitudes incoerentes. “Não é doença, portanto é cabível de punição e não é desculpa para a ação. Levante comportamento hostil pode ter gatilho genético, com propulsão derivado de traumas na puerícia, ambientais ou disfunções do sistema límbico devido a fatores emocionais que aumentam a verosimilhança com a intensidade da sofreguidão”, afirmou.

“Aquela pessoa que está incessantemente perdendo o controle, que comete um erro e vagar a perceber, e mesmo assim comete o erro de novo, já é um dos primeiros sinais de que um tanto não está manifesto. O trajo de o DJ Ivis agredir a mulher já mostra que ele não tem controle”, comentou o PhD.

Ou por outra, Fabiano explicou que fatores porquê culturais, educacionais e relação com a falta de conhecimento sugerem ações emocionais e incoerentes. “Por mais que a pessoa tenha fatores que interferem nessas disfunções, através da plasticidade cerebral é provável balancear e aprimorar a conexão do córtex pré-frontal, região racional do cérebro com o sistema límbico, região do lobo temporal relacionado com o sistema emocional”, disse.

Outro pormenor que precisa ser observado, segundo Fabiano, é que “o desequilíbrio entre os estímulos límbicos ascendentes e os mecanismos pré-frontais de controle descendentes resultam em comportamentos impulsivo-agressivos. A informação é modulada por fatores culturais e sociais e pode ser distorcida por déficits de processamento que pode ser influenciada por esquemas negativos secundários ao estresse do desenvolvimento, traumas ou experiências negativas duradouras. Assim porquê o uso condenável de álcool e/ou drogas”, acrescentou o neurocientista.

Ele ainda completa. “Não podemos dar um parecer sem uma rememoração antes. Mas que há sim uma incoerência, um problema na relação do sistema emocional do cérebro com o racional, sim, há ou não iria chegar a esta situação. E também mostra falta de empatia ao colocar em risco a própria filha. Esses comportamentos podem estar relacionados a diversos transtornos. Uma vez que ele é uma pessoa pública, que ficou espargido por pretexto de uma música, poderia malparar em incluir o narcisismo que, quando fora de homeostase, acarreta perturbações que causam comportamentos similares a esses”, encerrou.

VEJA TAMBÉM:

Links Patrocinados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui