Tecnologia para revolucionar a avicultura – O Presente Rústico

0
52

Para fechar o primeiro ciclo de palestras do 21º Simpósio Brasil Sul de Avicultura, o CEO da Agrisolus, Anderson Promanação, abordou a revolução da avicultura com a tecnologia 4.0. O evento, que iniciou na tarde de terça-feira (6), segue até a quinta-feira (8), inteiramente online.

Na palestra “A perceptibilidade sintético e o big data: a novidade forma de trabalhar na avicultura”, Promanação falou sobre uma vez que as tecnologias mudaram o setor e têm contribuído para torná-lo mais eficiente. A 4ª Revolução Industrial, caracterizada pelo uso da perceptibilidade sintético, do big data, das impressões 3D, da Internet das Coisas (IoT) chegou na avicultura para inovar os processos de produção. “Tivemos a Indústria 1.0, com a introdução da robustez a vapor e a mecanização da produção. A Indústria 2.0, com o uso da eletricidade, aço e petróleo. A Indústria 3.0 e a automação parcial usando controles e computadores e a Indústria 4.0, que não poderia ser dissemelhante, e também mudou completamente o setor”.

Aplicadas no sistema produtivo, as novas tecnologias permitem ao produtor um maior controle sobre a produção, otimização e, com isso, aumento da lucratividade. É verosímil, por exemplo, monitorar em tempo real o peso, consumo de ração e chuva, níveis de estresse de cada ave, conforto térmico e parâmetros de qualidade do ar para prometer o sumo desempenho e bem-estar dos animais.

Promanação, que se dedica a desenvolver soluções para a avicultura, exemplificou algumas tecnologias e suas aplicabilidades na calabouço avícola. Uma delas são as Etiquetas de Identificação por Radiofrequência (RFID), que permitem registrar informações sobre aspectos uma vez que sustento, saúde e localização do bicho. Um recurso que, segundo o palestrante, é barato e traz resultados eficazes.

Há também a veras aumentada, que permite a visualização do mundo real através de uma câmera. Na avicultura, segundo Promanação, tem um potencial enorme de revolucionar a assistência veterinária. “Será que no porvir precisaremos que o veterinário vá até a propriedade ou com um óculos de veras aumentada será verosímil orientar o produtor?”, indagou o profissional.

Outro recurso tecnológico citado por ele é a visão computacional. “Uma das mais promissoras para a pecuária. Imagine uma câmera que possa medir o frango, tarar, explorar o comportamento e identificar cada bicho. Isso é verosímil e já tem sido usado inclusive na avicultura”. Tem ainda o big data, que estuda uma vez que tratar, explorar e organizar informações, a internet das coisas, que usa sensores para colher dados e a perceptibilidade sintético, uma aliada para automatizar processos.

Para Promanação, é fundamental saber interligar, somar essas tecnologias, para que possam ser transformadoras na calabouço produtiva. Com os recursos certos, por exemplo, é verosímil identificar doenças na granja rapidamente e evitar prejuízos.

O CEO também abordou o Blockchain, um sistema que permite rastrear o envio e recebimento de dados pela internet, oferecendo confiabilidade e transparência para o consumidor. Na avicultura, por exemplo, essa tecnologia seria capaz de informar ao consumidor de maneira objetiva a proveniência da mesocarpo e conferir a qualidade do resultado.

Em relação aos custos dessas tecnologias, Promanação afirma que não é necessariamente o produtor que fará o maior investimento, quem terá mais retorno. É preciso explorar as vantagens de cada utensílio. “Estamos num momento em que os custos da avicultura estão pressionados pelo cimo valor do milho e da soja. Ao mesmo tempo, passamos por uma revolução, uma quebra de paradigmas. Precisamos gerar conscientização sobre o uso das tecnologias e mostrar resultados efetivos. No porvir o que  diferenciará um produtor, um player da cultivação, será o quão inteligente é a sua perceptibilidade sintético, o restante será commodity.

Sobre o evento

A programação científica do 21º SBSA está subdividida em cinco módulos: porvir, mercado, abatedouro, sanidade e manejo. As palestras estão focadas em assuntos de interesse do público de campo, produtores, técnicos, veterinários, gestores das agroindústrias, integrações e cooperativas. São temas que fazem secção dos principais pilares da calabouço de produção de aves.

Paralelamente ocorre a 12ª Brasil Sul Poultry Fair e demais eventos paralelos. A feira virtual reúne mais de 70 empresas nacionais e multinacionais. É um espaço onde as empresas geradoras de tecnologias apresentarão suas novidades e seus produtos, permitirão a construção de networking e o aprimoramento técnico dos congressistas.

O 21º Simpósio Brasil Sul Avicultura tem espeque do Juízo Regional de Medicina Veterinária de SC (CRMV/SC), da Sociedade Catarinense de Medicina Veterinária (Somevesc), da Prefeitura de Chapecó, da Associação Brasileira de Proteína Bicho (ABPA), da Embrapa Suínos e Aves e da Unochapecó.

Programação Científica

7 de abril de 2021

Conjunto Abatedouro

13h30 às 14h10: “Atualizações no sistema de inspeção brasileira: oportunidades e desafios”.

Palestrante: Liris Kindlein.

14h15 às 14h55: “Efeito do manejo pré-abate sobre os níveis de pena na indústria europeia”.

Palestrante: Wim Tondeur.

15h às 15h40: “Efeito do manejo pré-abate sobre os níveis de pena na indústria brasileira”.

Palestrante: Everton Krabbe

15h40 às 16h10: Debate.

16h10 às 16h20: Pausa.

Conjunto Sanidade

16h20 às 17h: “Multirresistência bacteriana ligada a E. coli e os impactos na calabouço de produção de aves”.

Palestrante: Mateus Matiuzzi.

17h05 às 17h45: “Laringotraqueite infecciosa: prevenção e controle” .

Palestrante: Guillermo Zavala.

17h45 às 18h15: Debate.

8 de abril de 2021

Conjunto Manejo

13h30 às 14h10: “Manejo inicial em frangos de golpe: os desafios no manejo inicial do frango de golpe moderno frente as novas tecnologias de geração”.

Palestrante: Rodrigo Tedesco.

14h15 às 14h55: “Manejo final em frangos de golpe: uma vez que extrair ao sumo o que a tecnologia da climatização oferece frente ao desempenho do frango moderno.”

Palestrante: Roberto Yamawaki.

15h às 15h40: “Recuperando os conceitos básicos de manejo para geração do frango de golpe: atualizações/novidades em ambiência e manejo para o melhor desempenho do frango de golpe atual”.

Palestrante: José Luiz Januário.

15h40 às 16h10: Debate.

16h10 às 16h20: Pausa.

Conjunto Nutrição

16h20 às 17h: “Valimento da estrutura da dieta para desenvolvimento do trato estomacal. Problemas relacionados ao mau desenvolvimento.”

Palestrante: Alex Maiorka

17h05 às 17h45: “Interação dieta e estresse térmico: impactos fisiológicos e produtivos na produção de frangos de golpe.”

Palestrante: Fernando Rutz.

17h45 às 18h15: Debate.

Manancial: Assessoria

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui