Servidores deixaram prejuízo de R$ 1 milhão ao contratar provisões para creche sem licitação em MS · Jornal Midiamax

0
38
Links Patrocinados

A juíza Luiza Vieira Sá de Figueiredo, da Vara de Quinta Pública e Registros Públicos de Corumbá, a 425 quilômetros de Campo Grande, agendou para o próximo dia 27 de julho, por videoconferência, a audiência de quatro servidores e uma empresa envolvidos em esquema de fraude em licitação. Os investigados teriam deixado prejuízo de R$ 1.012.581,75 ao Executivo Municipal por meio da compra irregular de provisões para creches.

Conforme denúncia oferecida pelo MPMS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul), os servidores cometeram ato de improbidade administrativa, contando com parecer jurídico favorável. Os fatos vieram à tona em 2015. À estação, o MPMS foi informado que o contrato firmado entre a Secretaria Municipal de Ensino e uma empresa do ramo alimentoso, firmado legalmente em 2010, foi prorrogado por sete vezes até 2014, sem licitação.

Consta na peça acusatória que os servidores realizaram interesse ulterior à prestação dos serviços, em caráter retroativo, contrariando dispositivo da Lei nº 4.320/64, que versa sobre a gestão de orçamentos e veda a “realização de despesa sem prévio interesse”. “Em outras palavras, o serviço foi autorizado pela gestão pública e realizado pela empresa, sem que houvesse interesse da despesa e, portanto, previsão da despesa no orçamento do Município”, lê-se na denúncia.

Aliás, em 2014, quando o contrato atingiu o tempo sumo previsto por lei para vigência, a empresa continuou prestando serviços  até 2015. Assim, de 30 de dezembro de 2014, até 3 de julho de 2015, a empresa recebeu  R$1.012.581,75 sem ter qualquer contrato válido com o município. 

“Destaca-se, também, que a empresa requerida tinha pleno conhecimento do término do prazo contratual,tanto que oficiou neste sentido ao Município de Corumbá em 31.10.2014 informando ter interesse na renovação do contrato e, em fevereiro de 2015 devolveu ao Município minuta de termo aditivo assinado só pela empresa,mesmo depois de expirado o prazo contratual. Não obstante isso, a empresa decidiu arriscar-se na proeza ilícito e consentiu em fornecer seus serviços sem nenhuma cobertura contratual com o Município”, diz o MPMS.

O município, ao ser acionado sobre as irregularidades pelo MPMS, abriu sindicância, constatou irregularidades e suspendeu o pagamento dos serviços prestados pelo período sem contrato. Porém, os servidores conseguiram parecer jurídico favorável para reconhecimento da dívida e ulterior pagamento. No entanto, não foram divulgados os motivos pelos quais optaram por aditar o contrato com a mesma empresa, em detrimento de ouvir outras propostas via licitação.

Links Patrocinados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui