Senadores lamentam 400 milénio vítimas fatais da covid-19 no país — Rádio Senado

0
10

Pandemia

Os senadores lamentaram a marca de 400 milénio vítimas fatais da covid-19 no Brasil e fizeram um minuto de silêncio em homenagem aos mortos durante a Sessão Plenária desta quinta-feira (29). Epidemiologistas apontam aceleração  da doença no país e projetam 560 milénio mortos até o final de junho. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, anunciou a chegada de 1 milhão de doses da vacina Pfizer compradas pelo governo federalista para ajudar a moderar o progressão da doença.

30/04/2021, 11h22 – ATUALIZADO EM 30/04/2021, 11h22

Duração de áudio: 02:59

stockphotos/diretos reservados

Transcrição
LOC: SENADORES LAMENTAM REGISTRO DE 400 MIL VÍTIMAS FATAIS DA COVID-19 NO BRASIL.

LOC: EPIDEMIOLOGISTAS APONTAM ACELERAÇÃO NO AVANÇO DA DOENÇA NO PAÍS E PROJETAM RECORDE DE 560 MIL MORTOS ATÉ O FINAL DO MÊS DE JUNHO. REPÓRTER RAQUEL TEIXEIRA.

(Repórter) Os registros oficiais revelam a aceleração no progressão da covid-19 no Brasil. Foram necessários cinco meses desde o primeiro óbito até a marca dos 100 milénio mortos e outros cinco meses para obter os 200 milénio. Já a marca dos 300 milénio casos ocorreu depois de dois meses e meio e a dos 400 milénio teve um pausa de somente 36 dias. Ao lamentar o aumento no número de infectados, o senador Confúcio Moura, do MDB de Rondônia, destacou a projeção de epidemiologistas que esperam o índice de 560 milénio brasileiros mortos até o final do mês de junho.

(Confúcio Moura) Nós estamos cá desde o mês de março do ano pretérito, quando houve a primeira morte, depois foram aumentando as mortes mês a mês, nós fomos nos acostumando com o crescente número de mortos, sendo que isso realmente é uma tragédia vernáculo. E há uma projeção que os epidemiologistas calculam, de que a gente pode chegar ao final do mês de junho com 560 milénio mortes.

(Repórter) Zenaide Maia, do Pros do Rio Grande do Setentrião, defendeu o esforço mundial para diminuir a disseminação de novas cepas do coronavírus.

(Zenaide Maia) Não adianta tratar em um lugar, em um país e deixar os outros doentes, porque ela vai chegar lá novamente. Com o vírus, circulando com muita velocidade, aparecem as novas cepas, gente. Portanto, se existe um pouco que hoje no mundo se sabe é que tem que tratar todos os países.

(Repórter) Já o senador Carlos Viana, do PSD de Minas Gerais, afirmou que a firmeza política é o caminho para o controle da doença e a retomada do prolongamento do país.

( Carlos Viana) Para ninguém é fácil nós termos 400 milénio famílias atingidas pela pandemia, mas, guiar um país ao rumo manifesto da prosperidade exige, antes de tudo, sobriedade, discussão correta sobre porquê nós vamos implementar decisões e, principalmente, o saudação às nossas regras. Oriente é um dos pilares para o desenvolvimento de qualquer país.

(Repórter) E Nelsinho Trad, do PSD de Mato Grosso do Sul, alertou que a vacinação é a solução para o problema.

(Nelsinho Trad) O Brasil hoje atingiu 400 milénio mortes por Covid, num cenário de extrema desigualdade no entrada a vacinas. Países ricos vacinam 25 vezes mais rápido do que os países em desenvolvimento. Até o Papa Francisco entrou nessa história, pedindo pelo paixão de Deus, que dê paridade de condições a todos para receber essa vacina.

(Repórter) O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, anunciou na noite desta quinta-feira a chegada do primeiro lote de vacinas da Pfizer, contendo 1 milhão de doses compradas pelo governo federalista para ajudar a moderar o progressão da doença.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui