Relatos sobre Covid-19 são encontrados no Twitter antes da doença subsistir

0
13

O coronavírus SARS-CoV-2 surgiu na natureza várias semanas antes de ser identificado, provavelmente no início de dezembro de 2019. (Crédito: Reprodução/Twitter)

O coronavírus começou a rodear algumas semanas antes de os primeiros casos serem identificados e que pudéssemos dar um nome à novidade doença. Cientistas procuraram sinais fracos dessa emergência silenciosa, investigando o Twitter.

O coronavírus SARS-CoV-2 surgiu na natureza várias semanas antes de ser identificado, provavelmente no início de dezembro de 2019. A doença de Covid-19, portanto, começou a rodear antes de ser nomeada, compreendida ou os primeiros casos serem identificados. Nesse período, as pessoas foram atingidas sem saber da existencia da doença. Cientistas italianos da Escola de Estudos Avançados do IMT Lucca tiveram a teoria de investigar os sinais fracos já presentes nas redes sociais em dezembro de 2019 e janeiro-fevereiro de 2020.

+ Entidades e sindicatos pedem prioridade na fileira de vacinação contra covid-19
+ Brasil ultrapassa 1,5 milhão de vacinados contra a covid-19

Em seu cláusula de pesquisa, publicado em 25 de janeiro de 2021 na Scientific Reports, eles relatam sua investigação sobre a ocorrência de termos relacionados a sintomas do coronavírus, em mensagens postadas no Twitter.

Os autores se interessaram pela termo “pneumonia”. Eles criaram um banco de dados reunindo centenas de milhares de mensagens contendo nascente termo e publicadas em diferentes idiomas (inglês, gaulês, italiano, espanhol, teutónico, polonês, holandês). A base de dados vai de dezembro de 2014 a março de 2020, com o objetivo de detectar um desenvolvimento verdadeiramente significativo, e não somente relacionado com o inverno. Todos os artigos de prelo e mensagens oficiais, muito uma vez que os retuítes, foram retirados das estatísticas consideradas pelo estudo.

Os resultados mostram que as ocorrências da termo “pneumonia” aumentaram significativamente na maioria dos países europeus durante o inverno de 2019-2020, em confrontação com o mesmo período dos anos anteriores. O aumento é perceptível muito antes de 21 de janeiro de 2020 – quando a doença foi oficialmente identificada e nomeada.

“Também mostramos que os sinais vinham principalmente de regiões geográficas que acabaram sendo os principais focos de infecção” no início da pandemia, observam os cientistas. Por exemplo, na França, as mensagens apontavam principalmente para Île-de-France; na Itália, na região da Lombardia; na Espanha, em Madrid. Existe uma relação entre a intensificação das ocorrências da termo pneumonia e os focos epidêmicos mais importantes.

Os pesquisadores descobriram os mesmos padrões de aumento significativo e direcionamento geográfico para outros sintomas causados ​​pelo coronavírus SARS-CoV-2, uma vez que “tosse seca”.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre depois queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus “o besouro indestrutível”
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida gratuito e vai presa
+ Zona Azul do dedo em SP muda dia 16; veja uma vez que fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Eructar muito pode ser qualquer problema de saúde?
+ Tubarão é tomado no MA com sobras de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Invenção oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui