Protesto pela volta do auxílio emergencial interdita rodovia em São Paulo

0
59

Revelação pela volta do auxílio emergencial interditou uma estrada na região metropolitana de São Paulo na manhã desta 6ª feira (19.fev.2021).

O protesto foi organizado pela Frente Povo Sem Temor, coalizão de movimentos sociais, uma vez que o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terreno) e o MTST (Movimentos dos Trabalhadores Sem-Teto).

De congraçamento com a Arteris, empresa que administra a rodovia Régis Bittencourt, houve interdição totalidade da pista que vai a São Paulo na profundidade do quilômetro 274, em Taboão da Serra. A informação foi publicada no Twitter.

A concessionária afirmou que o protesto causou 14 quilômetros de congestionamento do município de Itapecerica da Serra a Embu das Artes.

Os manifestantes atearam queima em pneus para fechar a via e escreveram na pista a frase “auxílio emergencial já”.

De congraçamento com os organizadores, a ação “exige que o governo Bolsonaro retome um auxílio emergencial que assegure condições de vida para milhões de brasileiros que se encontram em vulnerabilidade social”.

Também na manhã desta 6ª feira (19.fev), outros atos foram realizados pela Frente Povo Sem Temor em pontos das periferias da capital e da região metropolitana de São Paulo. Os locais exatos não foram divulgados.

Eis algumas fotos do protesto publicadas nas redes sociais:

Divulgação/Frente Povo Sem Temor

Divulgação/Frente Povo Sem Temor

Divulgação/Frente Povo Sem Temor

Divulgação/Frente Povo Sem Temor

Divulgação/Frente Povo Sem Temor

POSSÍVEL VOLTA DO AUXÍLIO

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), disse nessa 5ª (18.fev) que a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) Emergencial será votada pela Morada com uma “cláusula de calamidade” que abra espaço para o governo bancar uma novidade versão do auxílio emergencial.

A 1ª versão do auxílio emergencial foi paga a trabalhadores vulneráveis afetados pela pandemia em 2020. Começou com 3 parcelas de R$ 600, e teve uma prorrogação de 4 parcelas de R$ 300.

Há pressão para que o governo retome essa política. O Executivo estuda pagamentos de R$ 200 a R$ 250 de 3 a 4 meses. A abrangência do favor ainda é incógnita.

Ao referir calamidade e Orçamento de Guerra, o presidente do Senado evoca duas ferramentas aprovadas pelo Congresso para o governo poder mourejar com o coronavírus.

O Estado de calamidade, ratificado em março de 2020 e encerrado no término daquele ano, permitiu que o Executivo não cumprisse a meta fiscal. O Orçamento de Guerra foi uma espécie de “conta separada” para o governo lançar os gastos da pandemia. A fala de Pacheco sinaliza que o auxílio será bancado com maior endividamento do Estado.

GOVERNO E AUXÍLIO

O grupo que recebeu o favor (e que espera a extensão) segue sendo o maior sustentáculo da aprovação ao governo federalista.

Pesquisa PoderData, realizada de 15 a 17 de fevereiro, mostra que a aprovação do governo do presidente Jair Bolsonaro entre os beneficiários do auxílio emergencial cresceu 13 pontos percentuais em 15 dias e chegou a 49%. A desaprovação caiu de 51% para 43% no período.

O levantamento ouviu 2.500 pessoas nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

São 60% os entrevistados que receberam ou têm parentes que foram contemplados com o auxílio. Outros 34% dizem não ter recebido o favor. As taxas variaram dentro da margem de erro (2 p.p.) em 15 dias. Uma vez que o coronavoucher acabou, a tendência é que esses números continuem sempre iguais, uma vez que mostra o levantamento desta semana.

Continuar lendo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui