Processada por piada, Tatá Werneck tem vitória em disputa judicial contra a RedeTV! · Notícias da TV

0
36
Links Patrocinados

Tatá Werneck, 37 anos, teve uma vitória na disputa judicial movida pela RedeTV!. Processada no Tribunal de Justiça de São Paulo por fazer uma piada com o nome da emissora, a resguardo da apresentadora pediu que a ação fosse movida para o Rio de Janeiro, onde ela mora. A solicitação foi acatada e agora a assessoria jurídica de Marcelo de Roble e Amilcare Dallevo terá que se mexer no tribunal carioca.

A desavença da RedeTV! contra Tatá começou em novembro último quando a humorista comandou o Prêmio Multishow 2020. Na ocasião, ela disse que o vestido escolhido para o evento custava “uma grade” da emissora.

“Gente, não repare, eu vim de moto direto, entendeu? Eu vim assim. Peguei no varal, tá molhada ainda. Isso cá é o orçamento de uma grade da RedeTV!. Pelo paixão de Deus gente, não quero que vocês reparem”, disse no palco da premiação.

Pelo deboche, a emissora quer indenização de R$ 50 milénio. Na ação, os advogados alegaram que a mãe de Clara Maria ironizou a qualidade de sua roupa e a associou “de forma totalmente descabida ao orçamento e à qualidade técnica” da empresa. Tatá foi acusada de praticar ato ilícito e originar danos morais à imagem da RedeTV! com suas piadas.

No curso do caso, a resguardo da apresentadora solicitou a mudança do processo para o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Na quinta-feira (13), o juiz Mário Sérgio Leite, da 2ª Vara Cível de Osasco, acatou o pedido da artista.

“Porquê tanto o morada da ré quanto o sítio do cometimento do ato supostamente ilícito localizam-se na Comarca do Rio de Janeiro – RJ, reputo ser levante o pensão competente para a teorema da presente ação”, declarou o magistrado.

Agora, o pedido da RedeTV! deve ser redistribuído para uma das varas cíveis da comarca do Rio de Janeiro. Cabe recurso. Procurada, a emissora informou não comentar assuntos judiciais. 

Ao Notícias da TV, Ricardo Brajterman, jurisconsulto da humorista, classificou a diferença uma vez que benéfica para sua cliente. “Consideramos a decisão acertada e favorável. O processo deve passar diante do juiz competente para julgar o caso, sob risco de ocorrer o mesmo que testemunhamos no caso dos processos do ex-presidente Lula, onde a incompetência do pensão de Curitiba só foi declarada cinco anos depois do ajuizamento da ação”, declarou.

Entenda o caso

O processo da RedeTV! contra Tatá Werneck teve início em dezembro. A emissora não gostou da piada feita no Prêmio Multishow 2020 em que a atriz disse que seu vestido tinha o valor de uma “grade” da empresa.

Roble e Dallevo foram à Justiça para pedir R$ 50 milénio por danos morais. No processo, os advogados dos empresários citaram uma verosímil perseguição de Tatá, uma vez que piadas pejorativas sobre a RedeTV! são recorrentes em seu repertório. Eles recordaram a edição de 2018 da CCXP, quando a humorista agradeceu a Deus por não ter integrado o Pânico na TV, em 2010, que era exibido pela emissora.

Nos autos, a resguardo dos sócios disse que a artista “fez ludíbrio da emissora Rede TV!, comparando em tom de ironia a qualidade de sua vestimenta à qualidade e capacidade financeira desta emissora. A ré declara, de forma inegável, que a sua roupa, molhada e amarrotada, teria o orçamento igual ou maior do que o de uma ‘grade’ inteira desta emissora autora, criticando grosseiramente toda a qualidade da programação, muito uma vez que, a capacidade financeira da autora”.

Os advogados da empresa alegam que as citações da comediante são responsáveis por sujar a imagem da RedeTV! no mercado. “Porém, não se pode olvidar que as atitudes da ré [Tatá] acabam por impingir nesta emissora a pecha de ser um conduto de má qualidade ou ter capacidade financeira precária, prejudicando relações com investidores, talentos, anunciantes, etc.”, consta na ação.

“Os comentários levados a termos pela ré abalaram enormemente a imagem desta emissora. Tais ataques repercutiram terrivelmente entre seus telespectadores e o público em universal. A autora, empresa televisiva e de mídia reconhecida nacionalmente, teve sua honra objetiva completamente maculada por comentários abusivos e sem qualquer base factual”, completaram os advogados.

Na quadra, o representante permitido da atriz disse ao Notícias da TV que a RedeTV! “perdeu completamente o siso do ridículo” e classificou o processo uma vez que “descabido”, um ato desesperado para conseguir verba.

“A visão da RedeTV! é tão obtusa que não conseguiu enxergar que a sintoma da Tatá foi positiva para o conduto. Essa ação é um tiro no pé, pois é nítido o interesse escuso de infamar uma indenização indevida, fomentando a ‘indústria do dano moral”, declarou.

Na sequência, a própria apresentadora ironizou o imbróglio em suas redes sociais. “Com susto da Mundo e o Multishow descobrirem que faço piadas muito piores sobre o orçamento deles”, escreveu ela na internet.

Por término, a artista decidiu transformar o objecto em uma ação solidária. “O vestido que eu usei gerou uma polêmica, eu estou sendo processada, portanto, eu pensei: ‘Porquê transformar uma situação ruim numa situação boa?’ Já tinham me sugerido isso, eu vi no Twitter, portanto, eu vou leiloar esse vestido, que eu adoro muito –apesar de ter me gerado o processo– e vou doar o verba para alguma instituição”, anunciou em dezembro.

Veja o trecho do Prêmio Multishow que virou motivo de processo:

Links Patrocinados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui