Por que os ricos e famosos mentem mais que as pessoas normais

0
60
Links Patrocinados

Os jornalistas Daniel Palomares e Renata Nogueira, do Splash, publicaram essa semana um texto mostrando uma vez que os famosos iludem o público e recorrem a mentiras para faturar com publicidade. Pabllo Vittar vai se matrimoniar. Fiuk mandou nudes para amigos. Marina Ruy Barbosa está loira. Simone e Simaria não serão mais uma dupla. Tudo patranha para enganar o público e vender mais produtos.

Por que isso é um problemão? Porquê fala na reportagem Alexandre Gimenez, gerente universal de Notícias e Entretenimento do UOL, “a patranha não pode ser relativizada. Quando a prelo checa uma informação com natividade solene e recebe confirmação de uma notícia falsa, a seriedade e a credibilidade desse meio de notícia ficam comprometidas em nome do marketing. Isso é inadmissível. Principalmente em um momento uma vez que o atual, em que lutamos dia a dia contra fake news”.

Infelizmente, ao usarem a patranha uma vez que estratégia de vendas, as marcas estão institucionalizando uma verdade que cresce há anos, particularmente no mundo dos famosos.

Em um popular estudo de 2012 intitulado “Classe social mais subida prevê aumento de comportamento antiético”, a pesquisa confirmou muitas de nossas piores suposições sobre os ricos e o poder de devassidão da riqueza.

Em um experimento, os pesquisadores se posicionaram em um interceptação movimentado com sinais de paragem de quatro vias e rastrearam o protótipo de cada carruagem do qual motorista cortou os outros em vez de esperar sua vez. Pessoas dirigindo carros caros – uma vez que um Mercedes novo em folha – tinham quatro vezes mais verosimilhança de ignorar as leis de recta de passagem do que aqueles em carros baratos.

De modo universal, diversas pesquisas sugerem que a riqueza e o poder tiram as inibições das pessoas, aumentam a corroboração de riscos e os sentimentos de recta e invulnerabilidade. Ao mesmo tempo, o poder torna as pessoas menos empáticas e incapazes de ver as perspectivas dos outros.

Reputação, o anabolizante da patranha

Se o poder e a riqueza corrompem, é procedente que os famosos se tornem ainda mais expostos a essa dinâmica, porque além dos recursos financeiros e sensação de invulnerabilidade, eles são admirados por milhares de pessoas.

Ricos e famosos mentindo não são novidade. Das fotos combinadas de novos casais às fotos sem calcinha de famosas para as revistas de celebridades, que fizeram sucesso nos anos 2000, boa segmento eram combinadas com os fotógrafos. Mas com o chegada das redes sociais o descaso por mentir só cresceu.

Dias detrás, o cantor Zezé Di Camargo passou por uma cirurgia no coração. A notícia começou a circunvalar na prelo e o jornalista Pedro Antunes, meu colega cá no SPLASH, entrou em contato com a assessoria do cantor para apurar a informação.

Pedro não somente ouviu que o cantor não tinha pretérito por uma cirurgia, uma vez que ainda recebeu um vídeo de Graciele Lacerda, namorada do cantor e musa fitness, negando a informação. Pouco depois, foi confirmado que o cantor de indumento havia pretérito pelo procedimento cirúrgico. O que levou Graciele a mentir? Entrei em contato com a assessoria de Graciele e Zezé ontem no meio da tarde, disseram que estavam avaliando e retornariam, o que não aconteceu até o momento.

As causas do problema

Nos últimos anos, o mundo das celebridades ficou de pernas para o ar com o chegada das redes sociais. Veja o caso da família Camargo. Graciele, relativamente desconhecida até iniciar a relação oficialmente com Zezé (eles já namoravam há 10 anos, inclusive quando Zezé era casado), hoje tem 2 milhões de seguidores no Instagram. Zezé tem 3,3 milhões. Já Luciano Camargo possui 2,2 milhões, número próximo ao de Graciele. Wanessa Camargo, filha de Zezé, está praticamente empatada com o pai, com 3,2 milhões. Zezé e Luciano construíram suas carreiras com décadas de sucessos, e mesmo assim, parecem preteridos pela audiência nas redes sociais em confrontação aos próprios familiares com carreiras menos brilhantes fora dos palcos mas bem-sucedidas nas mídias sociais .

Da mesma maneira que o Photoshop mudou nossa percepção da verdade e criou expectativas irreais de formosura nas capas de revistas, as redes sociais estão mudando nossos conceitos e criando novas expectativas com relação aos famosos.

No Instagram, todos viajam e os voos nunca atrasam. A não ser que o famoso (e até o anônimo) esteja irritado e use a reclamação para tentar uma solução imediata pressionando a empresa virtualmente. Sob influência das pelas redes sociais, a ordem se tornou edificar uma imagem perfeita. E isso incentiva os assessores a negarem qualquer facto que possa parecer ruim.

O libido dos famosos de manipular e controlar a percepção do público, cada vez mais se estende a outras mídias. Se seus milhões de seguidores aceitam sem questionar o que o famoso diz, por que um jornalista não aceitaria? São tempos em que mentir descaradamente deixou de ter consequência. A verdade e a patranha se perdem em um volume contra-senso de informações das mais diversas fontes.

Algoritmos e um milhão de amigos

E existe uma lógica perversa de meandro de confirmação. O famoso tem milhões de seguidores e esses milhares de seguidores parecem concordar com tudo o que ele diz. Logo, ele imagina que deve realmente estar perceptível porque na bolha dele todos concordam. E mesmo que o famoso saiba que está inverídico, ele ainda terá um batalhão de defensores no universo do dedo. Pouco importa que por trás da corroboração e concordância da audiência estejam algoritmos que estimulados por likes e antigas interações aproximem o famoso das pessoas justamente com mesma opinião que a dele.

Ou por outra, os famosos precisam cada vez menos da prelo para falar com o público. Os 2 milhões de seguidores de Graciele são uma audiência maior do que muitos veículos de notícia tradicionais alcançam. O saudação, e até em perceptível sentido o temor que fazia o famoso e seu assessor serem “mais honestos” com a mídia estão desaparecendo.

Para piorar, a prelo embalada pela dinâmica do dedo, é cada vez mais fragmentada e estimulada pelas redes sociais a produzir muito, cada vez mais rápido e gerando impacto. Checar e e apurar são desafios cada vez maiores em uma guerra minuto e a minuto pela audiência.

Babá de luxo

Outro problema dos ricos e famosos é a cultura da babá de luxo. Famosos são incessantemente bajulados, logo por que um funcionário o trataria de modo dissemelhante? Há uma relação de poder desigual entre o famoso e seu círculo. Melhor concordar com o famoso do que perder o trabalho ou o chegada às coisas exclusivas e bacanas que a amizade com um famoso permite.

Observar o pretérito talvez ajude a iluminar o horizonte. Em 2006, Karina Bacchi e José Valien, o “Baixinho da Kaiser”, estamparam a capote da revista Caras anunciando um suposto namoro. Depois, soubemos que a iniciativa foi uma ação mercantil da Kaiser. A exposição na mídia foi tremenda e inclusive rendeu uma capote na Playboy, da qual Karina diz se arrepender. Karina segue na ativa. Ela já venceu uma edição da “Dança dos Famosos” e a segunda edição de “A Herdade”. A curso da atriz anda meio paragem, mas o Instagram está bombando com 8,2 milhões de seguidores. Na plataforma, ela divulga um app de orações e fala de sua aproximação com a religião.

A bíblia afirma que é “mais fácil é passar um camelo pelo fundo de uma agulha, do que entrar um rico no reino de Deus» (Lucas 18:24-25). Isso talvez ajude a entender porque tantos famosos posteriormente alguns anos de curso busquem a resgate na religião.

Siga a pilar no Twitter, Facebook e Instagram.

Links Patrocinados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui