Pix ultrapassa TED e DOC em número de transações | Finanças

0
22

Em dezembro, o Pix já respondia por 30% das transferências entre bancos. Agora em janeiro, ele se tornou ainda maior: foram 87,2 milhões de transações instantâneas, contra 64,7 milhões de TEDs e 7,3 milhões de DOCs, segundo um levantamento feito pelo Tecnoblog com dados do Banco Mediano e da CIP (Câmara Interbancária de Pagamentos).

O Pix chegou (Imagem: Divulgação/Banco Mediano)

O Pix se tornou um dos principais meios de transferência no Brasil: nascente mês, ele foi usado para movimentar mais de R$ 70 bilhões, enquanto o TED respondeu por tapume de R$ 250 bilhões no mesmo período. O sistema de pagamentos instantâneos começou a operar em novembro de 2020; ele é gratuito para pessoas físicas.

As transações via Pix feitas em janeiro até o último domingo (17) tiveram valor médio de R$ 809,75, já considerando as devoluções. As transferências feitas por TED no mesmo período foram de R$ 3.861,69 em média.

O valor transacionado em TED girava em torno de R$ 600 bilhões ao mês, e isso não mudou com a chegada do Pix – na verdade, o velho meio de transferência teve uma ligeiro subida no mês de dezembro.

Pix TED
dezembro de 2020 R$ 107,2 bilhões R$ 675,088 bilhões
janeiro de 2021 (até dia 17) R$ 70,6 bilhões R$ 249,665 bilhões

Pix é mais versátil que TED

Isso sugere que o Pix está atendendo a uma demanda financeira dissemelhante, em vez de se tornar somente um substituto para o TED. Por exemplo, você consegue usá-lo porquê forma de pagamento nas Americanas, Submarino, McDonald’s e vários outros estabelecimentos. Dá até para quitar a conta de luz graças a uma parceria com a Aneel (Sucursal Vernáculo de Robustez Elétrica).

Vale lembrar que é provável fazer Pix para contas do mesmo banco. Mas a vantagem é que você nem precisa saber o banco do destinatário, graças às chaves do Pix: basta informar o CPF, e-mail ou celular para enviar moeda, sem inserir manualmente a dependência e conta.

Outrossim, todo banco precisa oferecer o Pix de perdão para pessoa física, enquanto o TED pode custar mais de R$ 10 em algumas instituições. Sim, existem algumas exceções para essa gratuidade, mas elas são muito específicas: por exemplo, a transação pode ser cobrada se você recebe mais de 30 vezes por mês na mesma conta, indicando uso mercantil. Por enquanto, isso não afastou os usuários.

A tendência é que o Pix cresça ainda mais, à medida que mais pessoas se familiarizam com ele, e conforme a plataforma recebe mais recursos. Em março, será lançado o Pix Cobrança com QR Code para pagamentos futuros, semelhante a um boleto. O BC quer até mesmo permitir transferências internacionais, mas depende de mudanças nas leis cambiais.

Atualizado às 20h com dados da CIP

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui