Pensamento criativo: criando soluções para desafios complexos | SEGS

0
48

Quando você pensa em inovação e originalidade, o que vem à mente? Para ser criativo, é necessário ter capacidade para reinventar a roda? Inovar é estar capaz a desenvolver aquilo que ninguém nunca sonhou ou sequer pensou em fazer? Na verdade, pode ser mais simples do que parece.

Enfim, originalidade e inovação são sinônimos? A resposta é não! A principal diferença entre originalidade e inovação é o foco de cada uma delas. A originalidade existe uma vez que uma habilidade que libera um potencial que a nossa mente tem, enquanto a inovação acontece quando a teoria é colocada em prática.

Há alguns fatores que, se treinados diariamente, são impulsionadores para estimular um pensamento criativo: a curiosidade, a ousadia, a flexibilidade e a persistência!

Curiosidade é ter interesse pelas coisas. Pessoas curiosas são abertas a novas experiências, a saber novos lugares, pessoas, objetos, e vivenciar novas situações. Elas enxergam o mundo com os olhos curiosos de uma petiz e possuem uma natureza perspicaz, observadora e curiosa sobre a vida, o mundo e a natureza humana. Elas veem oportunidades em todas as partes, qualquer coisa pode servir de inspiração, por isso estão sempre atentas aos mínimos detalhes e a partir deles geram novas ideias.

Já a ousadia refere-se a pessoas que buscam oportunidades distintas e desafiam os padrões porque eles não o satisfazem! Muitas das pessoas criativas são motivadas por riscos porque a originalidade é o ato de produzir um pouco a partir do zero, o que significa ter coragem de expor suas apostas de imaginação, ou seja, ousar.

Pessoas criativas não se contentam com uma única opção e apreciam ter perspectivas diferentes para as soluções de um problema. Esta flexibilidade é o que permite a elas encontrar respostas inovadoras, enxergando os problemas por vários ângulos diferentes. Quando surgem novos fatos ou circunstâncias, adaptam-se rapidamente à novidade situação, não hesitando em despovoar uma traço de raciocínio e substitui-la por outra mais plausível.

Todavia, ser criativo não significa estar imune às falhas e erros. Pessoas criativas entendem isso e, mesmo que falhem, tentam de novo e recomeçam, é o diferencial da persistência. Elas não possuem pânico do recomeço, pelo contrário, enxergam isso uma vez que uma oportunidade de fazer de um jeito melhor.

A originalidade pode ser treinada e desenvolvida, com foco sempre em entregar mais e melhor: um criativo nunca está satisfeito! O grande combustível dessa tendência são as situações problemáticas, aquelas que requerem soluções que aparentemente não têm saída, ou situações difíceis de resolver. É cá que se revela o diferencial da originalidade e o que a torna tão peculiar.

Indivíduos criativos possuem grande habilidade de perceber problemas e desafios que escapam à maioria das pessoas. Eles têm uma sensibilidade de entender aspectos menos óbvios ou os pontos mais promissores de uma situação, aquelas oportunidades ocultas que poucos notam.

Mas se você não sabe nem por onde debutar para despertar o seu lado criativo, as dicas inferior vão contribuir para que você seja mais inovador:

1 – Use a técnica do brainstorming: deixe as ideias surgirem. Permita que elas fluam, por mais absurdas que pareçam. Quanto maior o número de ideias, maior a verosimilhança de encontrar aquela que será eleita “a melhor”. Anote-as em “Post-it’s” e posicione-as em uma parede de forma que seja fácil reacomodá-las conforme muda-se a ordem ou prioridade!

2 – Se inspire nos melhores: identifique uma vez que outros profissionais e pessoas atuam e busque segui-los. Porquê aquela pessoa consegue gerar soluções tão interessantes? O que ela precisou estudar para fazer isso? Ela usa alguma técnica para ser tão criativa? Alguns dizem que ela medita, outros que ela joga xadrez e outros ainda que ela não faz zero: qual a relação dessas atividades com a originalidade?

3 – Seja petiz novamente: lembre-se de quando era petiz e o proporção de originalidade que tinha para produzir uma linda história com príncipes e princesas – ou guerreiros e monstros, castelos e batalhas – tendo somente dois pequenos bonecos.

4 – Estimule o cérebro: viva novas experiências, uma vez que restaurantes e viagens; faça palavras cruzadas; procure ler e redigir palavras ao contrário; adote novos padrões para ações rotineiras, uma vez que tomar banho em horários diversos, fazer um caminho dissemelhante ou dormir do outro lado da leito; e traga cor para suas tarefas rotineiras utilizando canetas marca texto de cores diversas, pois pesquisas mostram que pessoas que trabalham com cores, tendem a ser mais criativas. A prática de atividade física também é precípuo, já que pessoas que usualmente se movimentam e mantém o corpo ativo também são mais criativas.

5 – Adote uma ou mais técnicas para incrementar a originalidade e a inovação: existem uma série de técnicas úteis para ajudar alguém a ser mais criativo e a trazer ideias inovadoras. Utilize estas ou outras que conheça e prefira: a) Seis Chapéus do Pensamento, criada por Edward de Bono; b) Método World Moca, criado por Juanita Brown; c) Disney’s Storyboard, criado pelos Estúdios Disney no início da dez de 1930; e d) Planta Mental, criado por Tony Buzan.

*Hildeman Rebento é diretor de operações da Concentrix Brasil, multinacional de soluções de customer experience.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui