O que é preciso para entrar na Receita Federalista

0
80

Ser concurseiro é passar detrás dos sonhos e objetivos. Muitos desses sonhos são movidos por carreiras porquê a de Servidor Público. Isso se deve, principalmente, pelo cume salário oferecido, inclusive para quem deseja ser Fiscal da Receita Federalista
. Mas, o que é preciso para ingressar na RF?

Saber a Receita Federalista

Antes de tudo, os concurseiros devem saber que os estudos é que regem um concurso. Por isso, é preciso permanecer discreto às disciplinas que são ofertadas para a seleção dos candidatos.

E, evidente, estar informado de tudo sobre o função e o lugar de trabalho, o que poderá te deixar ainda mais perto da vaga. Saber o lugar onde vai treinar as atividades é principal aos concurseiros.

A Receita Federalista, ou Secretaria Próprio da Receita Federalista do Brasil, é um órgão que tem porquê responsabilidade a gestão dos tributos federais e o controle aduaneiro, além de atuar no combate à evasão fiscal, contrabando, extravio, contrafação e tráfico de drogas, armas e animais.

O que é preciso para ser Fiscal da Receita Federalista?

Graduados de todos os cursos podem participar do concurso
da Receita Federalista, que tem porquê principal requisito, para função de Fiscal, nível superior.

Vale ressaltar que o diploma precisa ser de alguma instituição devidamente registrada e reconhecida no Ministério da Ensino (MEC), sem exceções.

Há outros requisitos que os candidatos deverão ter, porquê:

  • ter sido legalizado e classificado no concurso, na forma estabelecida em edital;
  • ter nacionalidade brasileira; no caso de nacionalidade portuguesa, estar amparado pelo regime de paridade entre brasileiros e portugueses, com reconhecimento do gozo dos direitos políticos, na forma do disposto no art. 13 do Decreto n. 70.436, de 18/04/1972;
  • gozar dos direitos políticos;
  • estar quite com as obrigações eleitorais;
  • estar quite com as obrigações do Serviço Militar, para os candidatos do sexo masculino;
  • ter idade mínima de 18 anos;
  • ter propensão física e mental para o treino das atribuições do função, comprovadas por junta médica solene;
  • apresentar enunciação de bens com dados até a data da posse;
  • apresentar outros documentos que se fizerem necessários, à idade da posse.

Quem não pode ser Fiscal da Receita Federalista?

Muitos perguntam o que é preciso para ser Fiscal da Receita Federalista. Entretanto, esquecem de olhar o que poderia barrar uma letreiro ou contratação no órgão. O candidato ficará impedido de tomar posse no função, caso:

  • deixe de provar qualquer um dos requisitos especificados no subitem 4.1 e daqueles que vierem a ser estabelecidos na letra “k”;
  • tenha sido exonerado do serviço público, de concórdia com o art. 137 da Lei n. 8.112/90;
  • tenha praticado qualquer ato desabonador de sua conduta, detectado por meio dos documentos referentes à sindicância de vida pregressa de que tratam as letras “a” a “d” do subitem 13.1 ou por diligência realizada.

Qual o salário de um Fiscal da Receita Federalista?

O que os candidatos à curso de Fiscal mais buscam, são informações sobre remunerações e benefícios, principais atrativos de quem quer assumir um função na Receita Federalista.

Segundo informações da RF, atualmente, a remuneração inicial é de R$ 21.487,09 para Auditor, já somado com o auxílio-alimentação de R$ 458, e para Exegeta é de R$ 11.684,39. Já os salários finais passaram a ser, respectivamente, de R$ 27.303,62 e R$ 18.076,05.

Etapas do concurso de Fiscal da Receita Federalista

Publicado em 2014, o último concurso Receita Federalista para Fiscal pode ser usado porquê base de estudos para um próximo concurso
, até que um novo edital seja publicado.

O edital do último concurso é tido por muitos profissional porquê a melhor base para estudos. Além do setentrião oferecido para o teor a ser estudado, ele confirma quais são as etapas de seleção pelas quais os concorrentes serão avaliados.

Na seleção de 2014, foram duas etapas de avaliação aplicadas nos candidatos, sendo:

Lanço 1 – Provas Escritas

  • Prova 1 – Objetiva de Conhecimentos Gerais: de caráter supressório e classificatório, valendo, no sumo, 70 pontos ponderados;
  • Prova 2 – Objetiva de Conhecimentos Específicos, de caráter supressório e classificatório, valendo, no sumo, 140 pontos ponderados;
  • Prova discursiva: de caráter supressório e classificatório, valendo, no sumo, 60 pontos.

As provas objetivas contemplaram as disciplinas de:

  • Língua Portuguesa
  • Espanhol ou Inglês
  • Raciocínio Lógico
  • Governo Universal Pública
  • Recta (Constitucional
  • Administrativo e Tributário)
  • Auditoria
  • Contabilidade Universal e Avançada
  • Legislação Tributária
  • Transacção Internacional
  • Legislação Aduaneira

Lanço 2 – Sindicância de Vida Pregressa

De caráter supressório, a sindicância é realizada pela mesa organizadora do concurso, seguindo regras estabelecidas pela Secretaria da Receita Federalista do Brasil, mediante o fiscalização da documentação exigida do candidato.

Segundo a Receita Federalista, há possibilidade ainda de possuir um Programa de Capacitação Profissional (PCP), objetivando a complementação dos conhecimentos adquiridos na segunda lanço.

Ou por outra, haverá ainda a preparação dos servidores recém-nomeados na dimensão para a qual estão sendo designados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui