O cima preço de um porvir sem favor – Universal

0
6


Foto: Anselmo Cunha (Peculiar)

Disponibilizado pelo governo federalista ainda no prelúdios da pandemia, o auxílio emergencial proporcionou que a secção mais vulnerável da população pudesse enfrentar a Covid-19 com honra e, pelo menos, com o mínimo de comida na mesa. Isso porque as medidas de isolamento social acabaram com muitos empregos formais e informais, deixando muitas famílias sem renda. O favor foi um respiro e a salvaguarda para milhões de brasileiros.

Daniel Coronel, professor do Departamento de Economia e Relações Internacionais da UFSM, alerta para o provável colapso na economia do país, já que a crise vai levar milhões de pessoas a cruzar a traço da pobreza extrema. Saídas, para as famílias que vinham se mantendo exclusivamente com o favor e agora já estão com as panelas quase vazias, são questionadas cotidianamente por Franciele Silveira e Angélica de Fátima, que se preocupam em uma vez que cevar os filhos sem o auxílio e sem um serviço.

Na última semana de janeiro, foram liberados os últimos pagamentos. E assim, foram encerrados os trabalhos de socorro do governo que, em Santa Maria, beneficiou quase 70 milénio pessoas. No Brasil, a estimativa é de que o termo do auxílio vá deixar mais de 60 milhões de pessoas vivendo aquém da traço da pobreza e outros 20 milhões em situação de pobreza extrema.

Ou por outra, a população tem de mourejar com a subida taxa de desemprego e os preços cada vez mais altos em mantimentos básicos nas prateleiras dos mercados. O desemprego foi um dos primeiros reflexos da pandemia. Conforme o Cadastro Universal de Empregados e Desempregados (Caged), entre março e junho de 2020, 2,6 milénio pessoas foram demitidas somente no setor de negócio e serviços da cidade.

CRISE
Arroz, feijoeiro, mesocarpo, legumes e leite são mantimentos básicos do brasiliano, que fazem secção da cozinha mais humilde, até a mais refinada. Esses mantimentos tiveram uma subida, em média, de 14% nas prateleiras dos mercados. A valorização do dólar contribuiu para a inflação de 4,52% em 2020 – a maior registrada desde 2016, quando o quadro político e de finanças era bastante desfavorável.

Os impactos do rompimento da relação do governo com o cidadão mais vulnerável serão grandes e as perspectivas econômicas, que aguardam o povo brasiliano em um porvir próximo, não são boas, segundo os economistas que apostam na implementação de novas políticas públicas e programas sociais.

Outro vista é uma vez que cevar uma família em tempos difíceis. Segundo a nutricionista Elsa Karsburg, vale tentar outras alternativas para uma dieta saudável, gastando menos. Enquanto isso, em Santa Maria, muita gente ainda depende inteiramente da solidariedade para ter um prato de comida. Com pouco ou sem moeda, o cidadão tem a opção das cozinhas comunitárias e do restaurante popular para ter entrada à sustento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui