Não é seguro sem corretor. E a Proteção Veicular não é definida uma vez que Seguro | SEGS

0
55
Links Patrocinados

Exatamente assim!

O corretor de seguros existe para proteger o interesse do segurado. As letras garrafais dos contratos de seguros não garantem a assessoria para o consumidor de seguros.

A Proteção Veicular não é definida uma vez que Seguro. A proteção veicular é um caso econômico para ser trabalhado em conjunto com essas duas versões de mutualismo, o governo e o Legislativo.

Porém, 15 anos depois, parece que o Mercado de Seguros acordou de um sono profundo! Realmente, até 10 anos detrás era mais fácil resolver tudo isso. Aliás, eu mesmo venho avisando do incremento dessas brechas, que contemplam a possibilidade de se imortalizar a Proteção Veicular.

As novas ações e panfletagens podem ajudar a identificar que: Só é seguro com corretor de seguros.

Uma investigação simples pode provar os problemas da falta de união do seguro com a pretexto.

Duas pontas de lados opostos: Seguradoras e Protetoras Veiculares. Mas vou expor que o retiro não é salutar. Por fim, contando duas vertentes de se completar com o inimigo: Aniquilando ou se tornando companheiro. Creio que a segunda vertente é melhor, pois acaba com o inimigo sem precisar permanecer com o remorso de uma injustiça.

Na seguradora o consumidor é o segurado. Na Proteção Veicular o consumidor é o sócio! Mas não somente dos “benefícios”. De verdade, ele é o sócio dos prejuízos, também! E precisamos trabalhar para que o consumidor de seguros fique protegido. E se não for essa a labareda da pretexto portanto não há justificativa para se guerrear contra as Associações de Proteção Veícular. As boas Cooperativas e as Associações também desejam resolver a questão. Aliás, tudo tem a ver com ceder um pouco em cada espaço e em cada questão. Porque é uma questão de Direitos e Obrigações. A Legislação promove isso.

De certa forma, porém, quero alertar novamente que há boas cooperativas que precisam ser protegidas contra ambições desmedidas de nossos espaços. Tenho a razão por pedir que o Legislativo interponha condições de proteção para o mercado de seguros e para as boas Associações e Cooperativas. Por fim, de forma constitucional, a Livre Iniciativa deve ser valorizada para todos.

A verdade é que todo e qualquer monopólio deve ser quebrado. E no seguro há monopólio, também. Entretanto, o consumidor brasílico tende a obter prejuízo metódico com empresas de frente ou as que ficam em pomares de laranjas, no sul da Califórnia. E a única forma de nós obtermos condições favoráveis nas relações comerciais é por meio de uma Legislação própria, que envolve compreender as duas dinâmicas. Nisto, nem o Ministério da Economia – através da Susep – , e nem as seguradoras podem se omitir. Por fim, é tão fácil identificar os pomares de laranjas doces e o caminho das Índias dos condimentos escondidos além-mar. Mais, garanto, as três Maria do firmamento ou pelas três famosas naus dos oceanos (Santa Maria, Pinta e Nina), que há um caminho evidente uma vez que o Sol ao meio-dia, para entendermos o rogo por melhores condições de validade nessa indústria.

Se deixar pra lá não vai ter solução. Ou vocês acreditam mesmo que um site, um monte de folhetos e uma propaganda contra à atividade ilícita vai parar isso que estamos vendo de incremento da indústria de proteção de bens e outras coisas mais? Confesso que a tendência é aumentar.

O que está faltando:

1) Conhecimento.

2) Logística.

3) Encontros.

4) Acordos.

5) Lobby no legislativo.

6) Urgência.

7) Falta gente que enfrente, com vontade e garra para vencer. E isso não é uma sátira às pessoas que fizeram alguma coisa no imbróglio, mas uma prova de que é preciso uma lucidez a la Elliot Ness! E nisto eu cito o saudoso banqueiro Diletante Aguiar, que sabia onde queria ir e contratava para fazer o que ele havia idealizado.

O que nós temos:

1) Despreparo. E é justamente por isso que se chegou cá onde estamos agora: Desenvolvimento exponencial da Proteção Veicular. E no despreparo não faltou nem quantia e nem poder. A indústria do seguro tem tudo para evitar essa exigência. Pois há mais de 40 anos existem as Cooperativas de Proteção Veicular, uma vez que é o caso das cooperativas de táxis de luxo. Essa sátira não é dirigida para alguém, mas para o todo de uma situação que envergonharia os países desenvolvidos.

2) A exigência de perdidos no labirinto da fantasia. Realmente, ao ver cada ação desenvolvida, eu ponho as duas mãos no rosto e ouso confiar que isso é verdade. Pois, o pouco é tão pouco que de pouco em pouco tempo se torna em zero, zero de zero.

3) Pânico. Ilustro assim: A onça está no mato e a indústria está na palhoça em cima da árvore. Porém, sem descer para o campo fechado da floresta, não dá para caçar ou prender a onça em uma jaula. Mas é evidente que a onça sobe em árvores e come a caça lá!

3) Poder e Lobby. O poder e o quantia são assustadoramente gigantes. O lobby é pífio, mas se renovar tudo é docemente gigante.

4) Projéctil na agulha. Apesar de termos tudo ao nosso lado, não temos algumas coisas que elenquei supra. A projéctil na agulha é o momento para se agir. Por fim, com tantas mentes privilegiadas nesta indústria, gente que sabe o que poderia ser feito, gente que tem condições de triunfo, por que tanto tiro fora do objectivo?

5) Perspectiva. Vamos lá: Porquê foi que uma pessoa do sexo feminino promoveu um desmonte no pretérito grotesco do seguro, além do silêncio e da coragem que essa pessoa teve, em promover o que promoveu? Você realmente acredita que sem a perspectiva de se obter sucesso com atitude, teria ela conseguido triunfo em desarraigar o que desarraigou? Pode ter certeza que sabia e sabe onde, quando e o que fazer; gostando ou não gostando do que ela e o órgão fazem. Vamos lá: É um verdadeiro estudo de caso. Mas não vou me omitir em expor que a questão da Percentagem do Corretor na proposta não é a melhor selecção.

6) Projecto. Sem projecto é conversa de comadres e compadres.

7) Trabalho. Pois é: Chamem alguém que saiba fazer e dê exigência para ele executar.

Talvez você tenha me escoltado até cá e esteja enfadado com o que eu disse no 5º item do que nós temos, ou outra coisa qualquer que tenha atingido o garbo de uma atividade que eu promovo há décadas, mas não é um contra um pouco ou alguém. A verdade é que a comodidade atrapalha!

Diz a Bíblia: ” […]do suor do teu rosto comerás o teu pão”. Gênesis 3:19

Armando Luís Francisco
Jornalista e Corretor de Seguros

Links Patrocinados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui