Marina Silva serpente renda básica do Governo Federalista: “Pessoas precisam”

0
7
Links Patrocinados

A ex-senadora Marina Silva (Rede) cobrou a geração de uma renda básica fixa para os mais necessitados. De tratado com ela, o Palácio do Planalto precisa fazer isso em caráter de urgência. Ela argumentou que milhões de brasileiros estão precisando disso neste momento.

“Nascente já é o terceiro ano deste governo e os necessitados ainda não têm uma política social definida para assisti-los. Independentemente da pandemia e do governo que esteja em curso, é obrigação do Estado cuidar dos necessitados”, disse a ex-ministra.

“Uma política social consistente que propicie a inclusão produtiva, seria um grande investimento na retomada econômica do país, sem deixar ninguém para trás”, completou em sua conta solene na rede social Twitter. Centenas de pessoas comentaram na publicação.

De tratado com informações do Governo Federalista, o Brasil tem um projeto social de caráter essencial e físico. Trata-se do Bolsa Família. Segundo dados do Ministério da Cidadania, muro de 14 milhões de brasileiros estão recebendo todos os meses valores médios de R$ 190.

Ou por outra, o Governo Federalista costuma expressar que o Auxílio Emergencial é o “maior programa de transferência de renda do planeta”. Ainda de tratado com o Ministério da Cidadania, muro de 39 milhões de cidadãos recebem as parcelas que variam entre R$ 150 e R$ 375.

Valores

A sátira de Marina Silva, no entanto, é em relação aos valores desses programas. É que ainda de tratado com os dados oficiais, os montantes deste ano estão mais baixos do que aqueles que vimos durante 2020. Ou por outra, ela afirma que o país precisaria gerar alguma coisa mais fixo.

É que o Auxílio Emergencial nos moldes atuais deve fazer pagamentos até o próximo mês de julho. De tratado com o Ministro da Economia, Paulo Guedes, pode subsistir uma prorrogação até outubro. No entanto, ele descarta qualquer possibilidade de transformar o projeto em alguma coisa fixo.

Segundo o Ministro, isso não pode ocorrer porque o Brasil precisaria respeitar os limites dos gastos públicos. De tratado com a PEC Emergencial, o Planalto só pode gastar até R$ 44 bilhões com os pagamentos do mercê emergencial neste ano. Se passar disso, pode estar cometendo um transgressão de responsabilidade.

Além do Auxílio

O Governo Federalista, no entanto, está prometendo gerar um novo programa para o segundo semestre. De tratado com Paulo Guedes, o projeto novo seria uma remodelação do atual Bolsa Família. Ainda não dá para saber muitos detalhes sobre a teoria.

No entanto, o Governo vem garantindo que o programa vai permanecer maior. A média de pagamentos poderia subir de R$ 190 para R$ 300 e a quantidade de beneficiários poderia subir de 14 milhões para 27 milhões de pessoas. Zero disso é solene ainda.

De tratado com as regras eleitorais do Brasil, o Governo vai ter que apresentar o programa até o final deste ano. Se não fizer isso, o projeto vai para a gaveta. É que a justiça eleitoral proíbe a inauguração de benefícios uma vez que estes em ano eleitoral. E vale lembrar que 2022 é justamente o ano das eleições presidenciais.

Links Patrocinados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui