Luta contra Covid-19 completa um ano com vacinas e variantes uma vez que repto

0
5
Movimento na Avenida Paulista durante a pandemia da Covid-19
Foto: RENATO S. CERQUEIRA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Em 11 de fevereiro de 2020, a Organização Mundial da Saúde (OMS) deu nome à doença causada pelo novo coronavírus, que, na estação, contaminara 43 milénio pessoas e matara outras milénio — até logo, exclusivamente uma dessas fora da China. 

Um ano depois, a Covid-19 (abreviatura para “CoronaVirus Disease 2019”, “doença do coronavírus” em inglês) infectou mais de 107 milhões e causou 2,3 milhões de mortes em todo o orbe, fora os impactos econômicos e sociais. 

Nesses doze meses, o mundo conseguiu, através da ciência, um feito impressionante: em um limitado prazo, desenvolveu-se uma vacina capaz de prevenir ou ao menos adoçar o desenvolvimento da Covid-19 em pacientes que têm contato com o novo coronavírus. 

“A gente imaginava que a vacina demoraria muito mais, e agora, estamos caminhando para ver o impacto da vacinação”, afirma, à CNN, o médico infectologista Marcelo Otsuka.

No Brasil, duas vacinas já foram aprovadas para uso emergencial: a Coronavac, desenvolvida pela farmacêutica Sinovac e utilizada no país em parceria com o Instituto Butantan; e a vacina de Oxford, da AstraZeneca, no país em associação com a Instauração Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Ao volta do mundo, outras fórmulas foram desenvolvidas e estão sendo utilizadas. A vacina da Pfizer e da BioNTech, uma das primerias aprovadas no mundo, já foi apresentada à Escritório Pátrio de Vigilância Sanitária (Anvisa) em um pedido de registro definitivo e aguarda uma resposta das autoridades sanitárias brasileiras.

Há ainda outras, uma vez que a russa Sputnik V e a indiana Covaxin, que também estão no radar para a vacinação no Brasil.

Variantes

Nos últimos meses, surgiu também um repto à vacina uma vez que solução final para a pandemia. Um não, mas vários: as chamadas “variantes” do novo coronavírus, linhagens mais ou menos diferentes da cepa original do vírus, em um processo com efeitos ainda desconhecidos.

Em entrevista à CNN, o infectologista Alexandre Naime Barbosa, professor da Universidade Estadual Paulista (Unesp), vê o início da imunização com esperança, mas diz que esse não é, ainda, o termo da pandemia.

Leitos de UTI para Covid-19 em hospitais do interior de SP (18.dez.2020)
Leitos de UTI para Covid-19 em hospitais do interno de SP (18.dez.2020)
Foto: Reprodução/CNN

“Temos que lembrar que os vírus são extremamente adaptáveis”, disse. “As variações que estão aparecendo mostram que o vírus está mudando e isso é um risco para as vacinas. Vamos ter que aprender a decorrer detrás do prejuízo, fazer com que as vacinas sejam eficazes contra várias cepas, uma vez que as vacinas da Influenza”. 

“A vacina não é a resposta final porque ainda estamos lidando com um vírus que não conhecemos recta e que está apresentando mutações que podem resultar na perda de eficiência da vacina. Enquanto não entendemos isso, não podemos preceituar que a vacina é o termo da pandemia”, continuou. 

Sem tratamento milagroso

Os especialistas ouvidos pela CNN também citaram que, desde o início da pandemia, muitos medicamentos sem eficiência comprovada foram apontados para o tratamento da doença. Eles acreditam que esse exposição esteja perdendo força. 

 “A gente viveu uma tempo de contraditório obscurantismo na medicina, com a récipe de vários medicamentos que não mostraram eficiência”, disse. “Apesar de muitos defenderem e usarem [esses remédios], acho que os médicos estão superando esse paradigma”, disse Barbosa, da Unesp.

“A teoria do ‘tratamento precoce’ está sendo abandonada, acredito que haja consenso que não tem um antiviral. No início, o uso era muito mais indiscriminado”, argumenta Júlio Croda, infectologista e pesquisador da Fiocruz. “Hoje, conseguimos tratar melhor os pacientes e mourejar melhor com a doença”.

Mais do que uma doença respiratória

Para além dos números, o entendimento sobre a doença também evoluiu rapidamente.

“Muitas coisas mudaram desde o início da pandemia. Descobrimos que a Covid não é só uma doença respiratória, mas sistêmica”, disse Alexandre Naime Barbosa, da Unesp. 

“Ela tem, principalmente, sintomas respiratórios, mas pode ter efeitos desastrosos no sistema nervoso mediano, promover alterações cardiológicas e gastrointestinais”, explica o professor.

Essa propriedade também foi ressaltada pelo infectologista Marcelo Otsuka.

“A gente não entendia a extensão da doença em outros órgãos além do pulmão, uma vez que os rins e o sistema nervoso. Hoje a gente observa que o vírus tem capacidade de provocar sequelas até em quem tem manifestações mais leves, uma vez que alterações cognitivas e relacionadas ao olfato e paladar”, afirmou. 

Família passeia de máscara durante a pandemia da Covid-19
Família passeia de máscara durante a pandemia da Covid-19
Foto: CandidShots/Pixabay

Junto com essa compreensão, também mudaram as orientações para prevenção do contágio. 

“Todo mundo deu prioridade, inicialmente, ao álcool em gel, antes do uso da máscara”, relembra Barbosa. “Hoje temos o conhecimento de que a transmissão acontece principalmente por gotículas, usar a máscara é mais importante do que lavar as mãos. A transmissão por contato pode intercorrer, mas não é a forma mais generalidade”. 

Júlio Croda, infectologista e pesquisador da Fiocruz, também destacou esse ponto.

“No início da pandemia, foi bastante esparso que só profissionais de saúde tinham que usar a máscara. Nesse último ano, isso mudou bastante”, disse. “O uso da máscara foi incorporado ao nosso hábito social, inclusive agora de máscaras com maior barreira”. 

O médico também lembra outra suposição que o tempo desbancou. “Tinham muitos questionamentos se os países tropicais teriam a doença por culpa do clima, que o impacto seria mais severo em países mais frios. Mas o vírus provou que não respeita muito essa questão de clima, quente e insensível, úmido ou sequioso. O contato e as medidas preventivas são o que afetam a transmissão”.  

Avanços da ciência

Os médicos disseram que a pandemia gerou, indiretamente, alguns benefícios. 

Júlio Croda, pesquisador da Fiocruz, ressalta que a Covid-19 permitiu com que uma plataforma inédita de vacinas fosse usada, a que se baseia em RNA mensageiro —presente nas vacinas da Pfizer e Moderna, duas das mais eficazes na proteção contra a doença. 

“O aumento de leitos de terapia intensiva também foi um lucro importante. Temos hoje uma infraestrutura melhor, não só de capacidade, mas também de testes e diagnósticos. Esses são alguns ganhos secundários que irão permanecer”, disse. 

Para Barbosa, o lucro principal foi a percepção universal da relevância da ciência. “Tivemos previsões que não se basearam em zero sólido e se mostraram desastrosas. Essa pandemia nos ensina a ser mais humildes e a escutar mais a ciência para termos ferramentas rápidas e efetivas que mudem o curso de uma pandemia. Isso fica de prelecção”.  

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui