Leste adesivo para máscaras pode detectar Sars-CoV-2 na respiração – Revista Galileu

0
57

Leste adesivo para máscaras pode detectar Sars-CoV-2 na respiração das pessoas (Foto: UC San Diego)

A ciência permanece trabalhando incansavelmente para combater a pandemia de Covid-19. E, se há uma boa notícia em meio aos estragos causados pelo novo coronavírus, é o progresso que tanta pesquisa tem proporcionado. É o caso do trabalho de pesquisadores da Universidade da Califórnia em San Diego, nos Estados Unidos. Eles estão desenvolvendo um teste para Sars-CoV-2 que pode ser acopladodiretamente a máscaras de proteção — um tanto, no mínimo, futurista.

Brincadeiras à secção, a tecnologia tem um objetivo muito sério: detectar a presença do coronavírus na respiração ou seiva de quem usa o secundário. “De muitas maneiras, as máscaras são o sensor ‘vestível’ perfeito para o nosso mundo atual”, diz Jesse Jokerst, líder do projeto, em transmitido.

Ele e sua equipe estão trabalhando na geração de adesivos que possam ser colocados em qualquer máscara (N95, cirúrgica ou de tecido). “Estamos pegando o que muitas pessoas já estão vestindo e reaproveitando, para que possamos identificar novas infecções de maneira rápida e fácil, protegendo as comunidades vulneráveis”, afirma Jokerst.

Adesivo pode ser produzido em grande escala e a baixo custo, permitindo testagem diária para Covid-19 (Foto: UC San Diego)

Adesivo pode ser produzido em grande graduação e a plebeu dispêndio, permitindo testagem diária para Covid-19 (Foto: UC San Diego)

Esses adesivos ou tiras-teste, uma vez que também podem ser chamados, detectam a presença de moléculas de clivagem de proteínas, chamadas proteases, produzidas a partir da infecção pelo vírus ocasionador da Covid-19. A teoria é que, à medida que o usuário respira esquanto está usando a máscara, as partículas se acumulem no adesivo, que, por sua vez, pode ser testado para a presença do novo coronavírus. Para isso, a tira-teste é equipada com um blíster que, quando apertado, libera nanopartículas que mudam de cor na presença das proteases associadas ao Sars-CoV-2.

Os especialistas ressaltam, entretanto, que os adesivos não podem e nem devem substituir os protocolos atuais de testagem para a Covid-19. “Pense nisso uma vez que uma abordagem de vigilância, semelhante a ter um detector de fumaça em sua lar”, exemplifica Jokerst. “Isso ficaria em segundo projecto todos os dias e, se fosse acionado, portanto você saberia que há um problema e é quando você realizaria testes mais sofisticados.”

A tira-teste é equipada com um blíster que, quando apertado, libera nanopartículas que mudam de cor na presença das proteases associados ao Sars-CoV-2 (Foto: UC San Diego)

A tira-teste é equipada com um blíster que, quando apertado, libera nanopartículas que mudam de cor na presença das proteases associados ao Sars-CoV-2 (Foto: UC San Diego)

De concordância com os pesquisadores, as tiras-teste podem ser facilmente produzidas em grande graduação e com plebeu dispêndio. “Queremos que seja atingível o suficiente para testes diários”, explica Jokerst. “Isso permitiria que instalações de sobranceiro risco, uma vez que residências coletivas, prisões, clínicas de diálise e abrigos para sem-teto, monitorassem novas infecções mais cedo e com mais frequência para reduzir a disseminação.”

Além do Sars-CoV-2, a tecnologia poderia ser utilizada para detectar outros tipos de coronavírus. “As proteases que estamos detectando cá são as mesmas presentes nas infecções com o vírus Sars original, de 2003, muito uma vez que com o vírus Mers”, relata o observador. “Logo não seria muito forçado imaginar que ainda poderíamos nos beneficiar desse trabalho mais tarde, caso surjam futuras pandemias.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui