Instabilidade econômica pede diversificação de investimentos – Folha Finanças

0
29

A Folha Finanças desta semana fala sobre a relevância de uma assessoria especializada na formação e comitiva dos investimentos, principalmente em momentos de maior instabilidade econômica. 


Camila Haeckel Blanke, Inspiração Invest, parceira deste blog, CEA e técnico em investimentos que trabalha no mercado financeiro há mais de 12 anos, entrevista Thiago Pflueger, financial planner CFP®, sócio da Athena-BGA, maior e mais vetusto escritório de assessoria de investimentos da XP em Pernambuco com R$ 1,3 bilhão sob assessoria e mais de 12 anos de história.


Thiago é formado em governo de empresas pela Universidade Federalista de Pernambuco (UFPE), possui especialização em finanças pela London School of Economics e mestrado no Insper-SP. 


Confira a seguir a entrevista com Thiago Pflueger. 


Muitos investidores ainda investem sem a ajuda de um assessor de investimentos. Por que você acha que isso acontece?


Considerando nosso histórico pátrio, é compreensível a atitude mais conservadora do investidor brasílio, principalmente em momentos de instabilidade uma vez que o atual. Entretanto, deixar seu patrimônio investido nos produtos bancários convencionais não lhe renderá nem a inflação anual. Tão perigoso quanto perder para a inflação é alocar seu quantia em ativos de maior risco, visando os ganhos de longo prazo, sem informação ou orientação necessária.


Vimos em 2019 e 2020 um grande volume de pessoas físicas entrando na bolsa, buscando maiores rendimentos para sua carteira. Muitas delas até conseguiram obter rentabilidades positivas nesse período, principalmente aqueles que tiveram a coragem de alocar entre os meses de março e maio de 2019, quando a bolsa atingiu suas mínimas. Porém, quando os mercados se acomodaram, observamos muita gente perdida, sem direcionamento simples e o mais preocupante: sem entender o risco que corria em sua carteira.


É geral observar nas mídias sociais a recomendação de alocação entre tesouro direto, ações e fundos imobiliários. A diversificação de ativos é, sem incerteza, a melhor forma de diminuir o risco de sua carteira. Porém o resultado dessa alocação desde o ano pretérito não vem sendo a esperada. O motivo? Risco Brasil aumentando, dólar em subida, juros futuros subindo e, consequentemente, bolsa caindo, fundos imobiliários e títulos públicos federais se desvalorizando. Resumindo, a diversificação não funcionou. 


O que você indica de dissemelhante?


Ter uma assessoria, principalmente de um escritório com referência, se prova importantíssimo nesses momentos. Nosso maior objetivo não é o lucro de capital a qualquer dispêndio. Prezamos pela formação e preservação do patrimônio dos nossos clientes, visando um lucro consistente, de longo prazo e ponderando o risco.


Em momentos de incerteza dos mercados, tomamos medidas mais protetivas e, utilizando da ampla experiência e conhecimento do mercado, escolhemos os melhores produtos para reproduzir a estratégia escolhida. Essas atitudes não excluem a possibilidade de perda, mas nos colocam em uma posição de menor verosimilhança de movimentos extremos.


Desde o termo de 2019 estávamos preocupados com as altas do mercado brasílio e sugerimos a diversificação internacional do portifólio dos nossos clientes. Essa estratégia se mostrou extremamente vencedora durante a crise de 2020, defendendo a queda da bolsa com a valorização cambial. No termo do ano pretérito observamos, novamente, os mercados desconsiderando diversos riscos nacionais e reiteramos a relevância da diversificação internacional, inclusive em item para essa pilar em novembro. 


Qual é o processo de estudo que vocês fazem para sugerir um portfólio aos clientes?


Os movimentos citados supra não são adivinhações do porvir, são movimentos de alocação tática consistente que fazemos nas carteiras dos nossos clientes. Nós não fazíamos teoria do que iria suceder em 2020, mas sabíamos que, independente do que acontecesse, fazia sentido ter ações de empresas internacionais no nosso portifólio, mormente quando elas estavam mais baratas que as empresas brasileiras. 


Já em 2021 estamos colhendo o resultado da boa diversificação do portifólio dos nossos clientes. A verdadeira diversificação não está nos produtos, e sim nos riscos. Vários produtos diferentes com o mesmo risco é somente pulverização.


Entender dos ciclos de mercado, produtos financeiros e estratégias de alocação não é difícil, mas é trabalhoso. O mesmo é verdade sobre problemas jurídicos e de saúde. Se você se destinar o suficiente, conseguirá entender a lei que discorre sobre qualquer tema específico. Porém, certamente, você não vai penetrar um processo fundamentado somente no que você leu. Isso também é verdade nos seus investimentos. É importantíssimo que você obtenha a maior quantidade de informação provável sobre o mercado, mas isso não exclui a relevância de uma assessoria.

 


Inspíração Invest 

Veja também

Streamer pernambucano tem canal na Twitch de volta após banimento
Streaming

Streamer pernambucano tem meio na Twitch de volta posteriormente deportação

Instabilidade econômica pede diversificação de investimentos
Folha Finanças

Instabilidade econômica pede diversificação de investimentos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui