Ibovespa firma queda com pressão do exterior; Petrobras e Vale recuam | Finanças

0
55

O Ibovespa saiu do zero a zero durante a manhã e opera em queda firme pressionado pelo envolvente extrínseco mais espantadiço, que afeta ações com grande peso no índice uma vez que Petrobras e Vale. Mais cedo, a estatal chegou a ser um dos destaques positivos do pregão na esteira do pregão de reajuste de preços de combustíveis, mas perde força com a piora do quadro internacional.

Por volta das 13h, o índice operava em queda de 0,92%, aos 119.253 pontos. O movimento é muito desempenado ao recuo das bolsas americanas. Há pouco, o índice Dow Jones cedia 0,75%, o S&P 500 tinha perda de 0,89% e Nasdaq perdia 1,38%.

Dentre os destaques no noticiário corporativo, a Petrobras anunciou reajuste no preço da gasolina e do diesel. Segundo a Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom), o preço da gasolina que será praticado a partir de amanhã vai atingir a paridade com a referência internacional, mas o diesel continuará registrando defasagem.

O comentador Gabriel Francisco, da XP Investimentos, explica que a defasagem do diesel saiu de 19,7% ontem para 7% com o novo preço anunciado hoje. Já o da gasolina agora está em risca com a paridade internacional

Embora o reajuste de preços de diesel amenize a pressão, ele afirma que o ideal para a empresa é, de vestuário, zerar a defasagem. “O pregão foi positivo, mas o ponto é regularizar isso para frente. Hoje a Petrobras ainda não retornou à paridade, mas a expectativa é que ela faça esse ajuste. O grande ponto de atenção, por isso vemos risco no cenário, é o quanto isso é viável em um momento de subida de petróleo e desvalorização do câmbio que não dá sinais de esfriar”, acrescenta.

De forma mais universal, no exterior, o humor dos investidores piorou na margem depois uma leitura pior que o esperado do número de pedidos iniciais de seguro-desemprego nos Estados Unidos. Já no Brasil, as atenções estão voltadas ao imbróglio sobre a prisão do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), que acabou deixando a discussão sobre o auxílio emergencial em segundo projecto. Há pouco, no entanto, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), disse ao ministro da Economia, Paulo Guedes, que o tema não deve afetar o curso da agenda econômica.

— Foto: Pixabay

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui