Governo vai flexibilizar regras para oferta de seguros

0
60

A partir de março, as seguradoras poderão ofertar produtos destinados a proteger o patrimônio das pessoas e das empresas com totalidade liberdade (Crédito: Reprodução/Pexels)

O Brasil consome pouco seguro. O mais popular é o de viatura, mas, mesmo assim, cobre muro de 25%, 30% da frota. Para baratear o serviço, o governo federalista decidiu liberar o mercado de seguros de danos no Brasil. A partir de 1º de março, as seguradoras poderão ofertar produtos destinados a proteger o patrimônio das pessoas e das empresas, combinando, com totalidade liberdade, apólices de vida, residencial e de automóveis. De negócio com o diretor da Superintendência de Seguros Privados, Rafael Scherre, a medida visa a baratear o aproximação a esses serviços.

“O objetivo da desregulamentação do setor é variar os produtos oferecidos, reduzir preços para o consumidor final e ampliar a cobertura do seguro no país”, afirmou. “Os produtos poderão ser estruturados de forma maleável, sem estudo prévia ou aprovação das condições contratuais.”

+ Bolsonaro celebra consumição de drogas na Bahia realizada pela Polícia Federalista

Segundo o diretor técnico da Susep, Rafael Scherre, em entrevista para O Orbe, o inextricável de regras atuais torna o processo burocrático e dispendioso, o que dificulta o aproximação da população aos seguros. “O objetivo da desregulamentação do setor é variar os produtos oferecidos, reduzir preços ao consumidor final e ampliar a cobertura do seguro no país. Os produtos poderão ser estruturados de forma maleável, sem estudo prévia ou aprovação das condições contratuais”, afirma.

A novidade regra já passou por consulta pública e será divulgada nesta terça-feira, 16, pelo órgão regulador. A expectativa da Susep é que, já no segundo trimestre, comecem a surgir produtos com rosto novidade no setor. Com a mudança, será provável, por exemplo, fazer um seguro residencial para proteger a mansão só quando o morador estiver fora, no trabalho ou em viagens, um sistema de liga-desliga. Esse padrão de contratação intermitente já existe para veículos e permite ao motorista acionar o seguro só quando sai da garagem.

Além de danos uma vez que pilhagem e incêndio, o seguro residencial poderá prever assistências e serviços de manutenção de geladeira, máquina de lavar, chaveiro e encanamento. O morador poderá incluir ainda coberturas relacionadas a riscos no transporte, nos deslocamentos para o trabalho.

O seguro do celular , hoje restrito à cobertura de pilhagem, perda e queda do aparelho, poderá abranger proteção de dados, minimizando assim danos com vazamento de informações — cobertura, aliás, que já está no radar das seguradoras.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre depois queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus “o besouro indestrutível”
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida gratuito e vai presa
+ Zona Azul do dedo em SP muda dia 16; veja uma vez que fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Eructar muito pode ser qualquer problema de saúde?
+ Tubarão é tomado no MA com sobras de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Invenção oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui