Finanças Descentralizadas e Criptoativos: protocolo para operações de financiamento – Focus.jor

0
33
Links Patrocinados
Alan Kardec, rabino em gestão uma vez que foco na tecnologia blockchain e finanças descentralizadas e diretor de inovação da Fintech Moeda Seeds. Foto: Divulgação

O mundo vem definindo um novo modo de operar a economia que conhecemos, de uma economia estruturada na regulamentação para uma economia líquida, ou economia tokenizada, regulado por tecnologias desenvolvidas para um mundo mais descentralizado. Neste ponto sobressai a tecnologia blockchain que, traduzindo, significa: um livro de razão pública (ou livro contábil) que faz o registro de uma transação de forma que esse registro seja confiável e inalterável.

Embora essa economia líquida, definida por tokenização de ativos seja relativamente novidade, é uma verdade econômica que movimenta trilhões de dólares no mundo. E o que são finanças descentralizadas (DeFi)? São ofertas de aplicações financeiras inovadoras, acessíveis e descentralizadas, a partir de um ecossistema transparente, de grave dispêndio, seguro e inalterável, que utiliza ativos digitais para transações peer-to-peer (P2P) de valores, contratos, serviços e experiências, substituindo consideravelmente, os modelos econômicos centralizados, em universal com maior dispêndio, baixa transparência e também com baixa particularidade inovadora fundamentado em uma arquitetura blockchain.

E por que impor no segmento do turismo? A indústria do turismo representou nas últimas décadas um dos maiores e mais promissores setores da economia mundial de grande sentença na geração de empregos. De convénio com o The World Travel and Tourism Council Travel and Tourism Economic Report, em 2019, o setor representava tapume 10,3% do ocupação global, o equivalente a um em cada 10 empregos a nível mundial.

Análio Rodrigues, consultor em Finanças para Inovação e CFO Uniweeks. Foto: Divulgação

Porém, a pandemia causada pelo Covid-19 afetou o setor do turismo global com impactos sem precedentes. Segundo dados da OMT – Organização Mundial do Trabalho, o recuo chegou aos níveis de 30 anos detrás, com uma retração estimada entre 70% a 75% e prejuízos ao volta dos USD $1,1 trilhão em receitas internacionais. As sequelas da Covid-19 para o turismo mundial são reais, mas não irreversíveis.

A reconstrução deste setor e a retomada de sua capacidade operativa implica na adoção de soluções inovadoras e disruptivas e no desenvolvimento de alternativas que assegurem sustentabilidade e segurança. Por outro lado, há uma demanda reprimida que representa um grande repto para toda a cárcere envolvida. Esse tema interessa aos executivos em finanças, porque é impossível não o trazer uma vez que taxa para o mercado.

Links Patrocinados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui