Febraban responde sobre golpes e garante que apps bancários são seguros

0
72
Links Patrocinados

Um golpe em que criminosos roubam celulares para invadir contas bancárias por meio dos apps instalados despertou a atenção da Federação Brasileira de Bancos (Febraban). Em um expedido, o grupo afirmou que os aplicativos bancários disponíveis atualmente são seguros, mas alguns descuidos por segmento dos usuários facilitam a ação dos grupos especializados nesse tipo de ação.

Segundo a Febraban, a maioria dos furtos ocorre em vias públicas e com pessoas dos quais aparelho está em uso. “Dessa forma, os criminosos têm aproximação ao celular já desbloqueado e, a partir daí, realizam pesquisas no aparelho buscando por senhas eventualmente armazenadas pelos próprios usuários em aplicativos e sites”, explica a federação.

Com a obtenção desses dados, os criminosos conseguem acessar contas bancárias, sites de compras, serviços de internet e outros locais que contêm dados pessoais. Para se proteger desse tipo de ação, é preciso seguir algumas recomendações simples:

  • Nunca usar recursos que lembram maquinalmente de senhas em navegadores e sites;
  • Não compartilhe ou anote senhas de aproximação em documentos de texto, e-mails, mensagens de comunicadores ou outros locais que são armazenados no celular;
  • Use no seu banco uma senha dissemelhante daquelas utilizadas para acessar outros aplicativos, sites e serviços;
  • Memorize suas senhas e não as mantenha anotadas em nenhum lugar.

A Febraban também aconselha que todos que tiverem seus aparelhos roubados devem notificar imediatamente seus bancos para exigir o bloqueio do app e da senha de aproximação. Também é recomendado requisitar o bloqueio inesperado da risca telefônica associada e registrar um boletim de ocorrência.

O golpe ao qual a entidade faz referência foi relatado pela Folha de S. Paulo no dia 15 de junho e labareda a atenção pela capacidade dos criminosos de, supostamente, quebrar barreiras de segurança que vão da senha de aproximação até soluções de biometria. A situação já despertou a atenção do Procon-SP, que emitiu um expedido a dez bancos e três associações do setor financeiro exigindo explicações sobre os sistemas de proteção presentes em seus apps.

Gostou dessa material?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.

Links Patrocinados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui