Fábio Porchat, Elza Soares e ex-BBB Thelma vencem Prêmio Arcanjo de Cultura · Notícias da TV

0
31

O colunista do Notícias da TVMiguel Arcanjo Prado comandou na noite de quarta-feira (28) a segunda edição do Prêmio Arcanjo de Cultura, que destacou personalidades e importantes fatos culturais do ano pretérito. Fábio Porchat, Lázaro Ramos, Elza Soares, Angela Ro Ro e os ex-BBB Babu Santana e Thelma Assis foram alguns dos vencedores da sarau, marcada pela flutuação e por discursos emocionados. A cerimônia foi exibida pelo Blog do Arcanjo no YouTube, e está disponível inferior.

O objetivo da premiação foi prestar homenagem aos artistas que fizeram a diferença e aos que se foram nos últimos meses. “A pandemia do novo coronavírus assusta o mundo e ainda mais o Brasil, levando milhares de vidas, muitas delas trabalhadores da cultura. E é a estes nomes que a gente dedica a segunda edição do Prêmio Arcanjo de Cultura”, comentou o colunista na exórdio do evento.

EDSON LOPES JR./DIVULGAÇÃO

Miguel Arcanjo Prado na cerimônia

Foram celebrados quatro vencedores em cada uma das seis categorias: artes visuais, cinema, música, redes, streaming e teatro. Ao todo, 30 nomes foram premiados, contando também categorias especiais.

Destaque para o programa Falas Negras, exibido em novembro e que levou troféu entre os concorrentes de streaming. “É um marco na história da TV brasileira, feito por uma equipe apaixonada e um elenco espetacular. O Prêmio Arcanjo é um sopro de resistência para a cultura”, declarou Lázaro Ramos, diretor do projeto.

A categoria próprio homenageou figuras de diferentes áreas, porquê Elza Soares, pelos 90 anos completados na temporada passada e sua influência porquê voz histórica da mulher negra brasileira. “Viva a cultura e os artistas que resistem”, disse a cantora.

A morte do ator João Acaiabe (1944-2021), ocorrida no primícias de abril, foi lembrada. Ele venceu na categoria streaming pelos personagens que conquistaram gerações em 50 anos de curso e pelo pioneirismo na representatividade negra nas artes. “O meu pai tinha uma frase que era ‘feche os olhos e entre na história’. Agora, meu pai fechou os olhos para entrar para a história”, disse Thays Acaiabe, filha de João.

Confira a lista dos vencedores:

Artes Visuais

Meio de Pesquisa e Formação do Sesc São Paulo
Pela valorização da reflexão e proposta de diálogos sobre as artes visuais

J. C. Serroni
Pelos 70 de vida e grande taxa, com projetos cenográficos, ensino, pesquisa e publicações, às artes visuais e ao teatro brasílio

John Lennon em Novidade York por Bob Gruen – Museu da Imagem e do Som
Pela apresentação da trajetória visual de um dos maiores artistas do século 20

My Name Is Ivald Granato – Sesc Belenzinho e Sesc Guarulhos
Pela apresentação de meio século de produção artística inventiva e performativa do artista brasílio

Cinema

A Febre
Pela teorema da diretora Maya Werneck Da-Rin em dar voz ao indígena em um país entregue à voracidade predatória

Babenco, Alguém Tem que Ouvir o Coração e Manifestar: Parou, de Bárbara Silêncio
Pela delicadeza cinematográfica no registro dos últimos dias de um dos maiores diretores do cinema, Héctor Babenco

Termo de Sarau
Pela proposta do diretor Hilton Lacerda em edificar um filme inteligente e risonho, verdadeiro delícia para quem gosta de cinema

Sete Anos em Maio e Vaga Músculos
Pela união na exibição de duas tramas poderosas na mensagem e qualidade de produção: de um lado, a denúncia do genocídio preto, do outro, um corpo buscando sua voz

Música

Coletivo IMuNe – Momento da Música Negra
Pelo diálogo artístico que fez o Brasil saber seis nomes talentosos da novidade música negra: Bia Nogueira, Cleópatra, Gui Ventura, Maíra Baldaia, Raphael Sales e Rodrigo Negão

João Gordo
Pela corajosa trajetória no Entretenimento e na Música, que o torna um dos maiores nomes do punk pátrio

Kunumi MC
Por ser voz representativa do oração indígena na cena músico

Marcelo D2
Pelo disco Assim Tocam Meus Tambores, no qual reuniu seus “cria” em um projeto produzido e gravado a partir de lives feitas durante o período de isolamento

Redes

Educa Podcast
Pelo valedoiro projeto que une Instrução e Música em papos prazerosos com entrevistados que sempre têm alguma coisa inteligente a manifestar

Festival Satyrianas
Pelo mergulho no do dedo em sua 21ª edição, acompanhada por mais de 45 milénio pessoas em 78 horas que reuniram 300 atrações artísticas e tapume de 100 filmes.

Maria Zilda Bethlem
Pelas entrevistas conduzidas de forma espontânea pela atriz no Instagram que conquistaram milhares de pessoas na quarentena

Tina
Pelo humor ferino das atrizes Isabela Mariotto e Julia Burnier no Instagram, em que a personagem conquistou o público inteligente com uma cutucada divertida no campo progressista privilegiado

Streaming

Babu Santana e Thelma Assis
Pelo poderoso carisma e representatividade negra que conquistou o país no Big Brother Brasil, da Mundo

CNN Brasil
Pela estreia, pelo incremento e por ter rapidamente se tornado importante opção de informação para o público brasílio

Falas Negras
Por dar voz na tela da Mundo e no Globoplay ao oração de 22 personalidades negras históricas, em cuidadosa produção dirigida por Lázaro Ramos e idealizada por Manuela Dias

João Acaiabe
Pelos personagens que conquistaram gerações em 50 anos de curso artística e pioneirismo na representatividade negra nas artes

Teatro

A Arte de Encarar o Susto (The Art of Facing Fear)
Pelo pioneirismo no Teatro Do dedo da Cia. Os Satyros nesta obra de Ivam Cabral e Rodolfo García Vázquez com elencos brasílio, africano-europeu e estadunidense e temporadas em quatro continentes; corajoso feito para o teatro brasílio no turbulento 2020

A Cor Púrpura
Pela impecável produção de teatro músico com elenco e equipe totalmente dedicados em recontar uma velha história negra com múltiplos e novos significados

Desamparos
Pelo mergulho sensível e virtual da atriz Cléo De Páris sob direção de Fábio Penna, um respiro poético em meio ao caos

Jane Di Castro, Divina Valéria, Eloína dos Leopardos, Camille K, Marcia Dailyn e Divina Nubia
Pelo pioneirismo na representatividade trans e transformista nos palcos, com trajetórias reunidas no espetáculo Divinas Divas, marco no Theatro Municipal de São Paulo em 2020

Privativo

Anderson Jesus
Pela proposta de informação que valoriza a trajetória negra, foco do projeto de teor do dedo multiplataforma Todos Negros do Mundo

Angela Ro Ro
Pelos 70 anos de uma artista talentosa, pioneira na liberdade do paixão e com trajetória de sucessos que marcaram gerações

Elza Soares
Pelos 90 anos desta artista de grande talento, farta coragem e regular capacidade de reinvenção, além de ser voz histórica da mulher negra brasileira

Fábio Porchat
Pelas entrevistas em formato live na quarentena e pela ajuda a artistas e técnicos em vulnerabilidade na pandemia

Hilton Serpente
Pela irretocável trajetória de valorização do teatro preto, coroada com a magnífico peça Traga-me a Cabeça de Lima Barreto

Os Crespos Cia. de Teatro
Pelos 15 anos da importante companhia dedicada ao teatro preto sob comando de Lucelia Sergio e Sidney Santiago Kuanza

Veja a cerimônia completa do Prêmio Arcanjo de Cultura 2021:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui