Em seguida ‘Paixão de Mãe’, Natasha Jascalevich participa de ‘Todas as Mulheres do Mundo’ – Quem

0
8

Natasha Jascalevich participa de Todas as Mulheres do Mundo (Foto: Thiago De Lucena)

Natasha Jascalevich, que interpretou a chef de cozinha Ludmila em Paixão de Mãe, aparece no incidente desta terça-feira (6) da série Todas As Mulheres do Mundo, na Orbe. A atriz vive Natália, uma mulher viciada em adrenalina e que vive um romance com Paulo, personagem de Emilío Dantas.

Além de atuar, Natasha trabalha uma vez que diretora e lançou o curta-mtragem O Peixe- A pequena ponte entre a gula e luxúria, que fala sobre a relação entre a comida e o prazer feminino.”Traz a mito de uma mulher que tem um caso de paixão com um peixe”, afirma a atriz.

Namorando há sete anos o ator Gabriel Stauffer, famoso por ter interpretado o personagem Cláudio em A Força do Querer, Natasha e o ator passaram a morar juntos durante a pandemia e desenvolveram o curta-metragem A Lagarta. “A quarentena é uma verdadeira montanha-russa emocional, por isso, é muito importante ter alguém para dar a mão nesses tempos tão sombrios.”

Depois do lançamento na plataforma Globoplay, a série Todas as mulheres do mundo chegou à grade da TV Orbe. Feliz com a repercussão?
Natasha Jascalevich: Estou muito feliz com a repercussão da série. Até porque, na curso de atriz, sempre fiz muito teatro e, fazer audiovisual, tem a vantagem de levar seu trabalho para um outro nível de alcance. Tive uma resposta incrível do público que assistiu a série no Globoplay. Agora estou esperando para ver o que o grande público vai encontrar da Natália, minha personagem.

Emílio Dantas e Natasha Jascalevich em cena de Todas as Mulheres do Mundo (Foto: Divulgação/TV Globo)

Emílio Dantas e Natasha Jascalevich em cena de Todas as Mulheres do Mundo (Foto: Divulgação/TV Orbe)

Em Paixão de Mãe, você interpretou a chef Ludmilla. Porquê foi a experiência neste trabalho?
Fiquei muito feliz quando recebi o invitação para fazer essa participação porque sempre admirei e acompanhei os projetos do José Villamarim, dirertor da romance. Acredito que é uma romance com “rosto de cinema” e que traz um viés político potente. É um projeto que, realmente, me deu orgulho de fazer secção. Sem relatar que a Ludmilla foi uma personagem deliciosa de interpretar.

Você escreveu, dirigiu e atuou no curta O Peixe que foi recentemente lançado. Porquê foi esse processo?
O filme nasceu de uma pesquisa sobre o prazer feminino que venho desenvolvendo há anos. Acredito que falar de prazer ainda é um tabu para muitas mulheres, portanto quis abordar o tema através da comida que é um prazer generalidade a todos os seres humanos. O Peixe faz secção de uma trilogia de curta-metragens chamada A pequena ponte entre a gula e a luxúria e traz a mito de uma mulher que tem um caso de paixão com um peixe.

Natasha Jascalevich e Gabriel Stauffer (Foto: Victor Pollak)

Natasha Jascalevich e Gabriel Stauffer (Foto: Victor Pollak)

Você namora o ator Gabriel Stauffer e criaram, nos primeiros meses da quarentena, um curta-metragem chamado A Lagarta. O que pode falar sobre esse projeto?
A Lagarta foi um curta-metragem criado pelo Gabriel e interpretado por mim no início da pandemia. O curta faz um paralelo entre o casulo de uma lagarta e o isolamento social. O filme fala sobre um momento de transformação e libertação depois de muito tempo de negrume.

Porquê vocês encaram a quarentena a dois?
A quarentena é uma verdadeira montanha-russa emocional, por isso, é muito importante ter alguém para dar a mão nesses tempos tão sombrios. Nós estamos juntos há sete anos e, só nos últimos meses, resolvemos morar juntos. A mudança foi uma das poucas alegrias dessa pandemia. Poder cuidar dos detalhes da moradia, que é onde passamos a maioria do tempo isolados, tem sido uma distração importante.

O meio artístico vive uma situação delicada por conta da pandemia? Precisou mudar de que forma seus planos? Porquê tem lidado com as dificuldades?
Sem sombra de incerteza, o setor cultural foi o que mais sofreu com a pandemia. Apesar de ser um meio que gera muitos empregos e renda para o estado, o setor já vinha sendo atacado e demonizado pelo atual governo desde antes da quarentena. E agora, com a pandemia, o cenário é trágico.  Artistas de todas as áreas estão lutando para sobreviver. Muitos, infelizmente, estão até abandonando a curso e mudando de profissão. No meu caso, com muita luta, consegui ser contemplada em alguns editais e tenho participado de várias produções audiovisuais.

Natasha Jascalevich participa de Todas as Mulheres do Mundo  (Foto: Thiago De Lucena)

Natasha Jascalevich participa de Todas as Mulheres do Mundo (Foto: Thiago De Lucena)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui