“É muito triste o que meus conterrâneos estão vivenciando”, diz Malvino Salvador posteriormente ter a mãe internada por Covid-19 e perder amigos e familiares – Vogue

0
13

Malvino Salvador (Foto: by_GLIN-MIRA)

Procedente de Manaus, Malvino Salvador perdeu amigos e familiares durante a pandemia de Covid-19 que atingiu fortemente a capital do vasto estado do Amazonas.

“É revoltante ver que as autoridades, mesmo alertadas com antecedência e munidas de informações sobre o poderoso aumento dos casos e internações, não se prontificaram em reagir rapidamente para, no mínimo, dar atendimento às pessoas adoecidas”, diz o artista que conversou com a Vogue Brasil sobre o efeito devastador do vírus no país.

Ainda nesta entrevista, Malvino que está no ar na reprise de “Haja coração” fala de seus novos projetos e empreendimentos além das novelas. “Estou muito focado em dois empreendimentos de muito sucesso. A Gracie Kore, minha ateneu/escola de Jiu Jitsu, e a clínica Mais Cabello, especializada em transplante capilar. Por sinal, já fiz o meu procedimento”. Continue lendo!

O que da sua puerícia em Manaus, procura proporcionar para os filhos vivendo em locais tão diferentes?
Na minha quadra, Manaus era uma cidade muito segura. Tínhamos liberdade para recrear na rua desde muito novos. Depois que chegava da escola e fazia o obrigação de mansão, saia para recrear com a molecada na rua até anoitecer. Meus pais me chamavam para jantar e depois dormir pontualmente às 21:30h. Minha puerícia foi incrível!

Hoje, mesmo numa quadra dissemelhante, com nossas meninas, queremos que elas passem por cada tempo aproveitando o melhor que a puerícia pode proporcionar. Existe a rotina da escola, as atividades porquê música, o jiu-jitsu e ginástica, que elas adoram e o tempo para recrear com os amiguinhos e estar com a família. Elas adoram participar de todas as atividades!

Seus filhos tem bastante contato com a natureza porquê você tinha?
Manaus é uma metrópole incrustada na floresta amazônica. Por conta disso eu tinha uma rotina urbana, mas com chegada à exuberância da floresta e dos rios da região. Sempre que volto a Manaus, levo a Kyra e as crianças para se conectarem com a natureza de lá.

Cá no Rio também temos o privilégio de viver numa cidade com muita natureza por perto. Adoramos a praia, a serra, visitamos fazendas do interno para que elas possam ter contato com animais, viajamos para lugares que proporcionam esse contato, etc. Acho super importante!

Sendo Manauara, porquê tem lidado com a angústia da pandemia por lá?
É muito triste o que meus conterrâneos estão vivenciando. É revoltante ver que as autoridades, mesmo alertadas com antecedência e munidas de informações sobre o poderoso aumento dos casos e internações, não se prontificaram em reagir rapidamente para, no mínimo, dar atendimento às pessoas adoecidas. É inadmissível o ponto em que se chegou, de faltar oxigênio e novamente não possuir vagas nos hospitais. Estamos lidando com a pandemia desde o início do ano pretérito e não se pode concordar negligências porquê essa.

Os gestores públicos deveriam ter se antecipado e protegido a população do estado e de Manaus. Na capital, há uma combinação de aumento de casos, uma novidade cepa que ainda não se sabe o verdadeiro intensidade de contaminação, os doentes do interno que vêm buscando atendimento em Manaus, a histórica falta de infraestrutura na saúde pública (uma das piores do país) e o difícil chegada ao transporte de insumos. Se o gestor público é ineficiente e faz uma péssima gestão e gestão dos recursos, o resultado é o caos que se viu. É incabível e desumano. Espero que a justiça seja feita com os responsáveis por tudo isso.

Malvino Salvador (Foto: by_GLIN-MIRA)

Malvino Salvador (Foto: by_GLIN-MIRA)

Uma vez que estão sua família e amigos? Todos saudáveis? Teve alguém infectado, perdeu qualquer parente para a Covid?
Tive familiares e amigos que, infelizmente, vieram a falecer. É muito, muito triste. É revoltante! Minha mãe adoeceu lá e tivemos que trazê-la para o Rio de Janeiro, pois faltava oxigênio e não tinha atendimento nos hospitais. Foi uma correria! Uma loucura para viabilizar o transporte, até que encontramos uma vaga. Ela ainda está internada, mas se recuperando cá no Rio. Nós conseguimos trazê-la, mas muitas pessoas não tiveram essa selecção.

Você está ajudando alguma instituição? Quer indicar alguma?
Conheço uma instituição séria em Manaus, que confio muito e que faz um trabalho muito legítimo. São os Parceiros Brilhantes (@parceirosbrilhantes). Fiz minha doação e também pedi em minhas redes sociais um espeque. Eles estão muito engajados em ajudar lá na região.

Malvino Salvador (Foto: by_GLIN-MIRA)

Malvino Salvador (Foto: by_GLIN-MIRA)

O esporte esteve sempre presente na vida de seus filhos ou assim porquê ele, puxaram pelo lado artístico?
O esporte sempre esteve presente na vida delas e acho que os pais incentivam bastante os filhos quando também praticam esportes. Elas treinam Jiu-jitsu e frequentam a nossa ateneu. O Jiu-jitsu é um lema de vida para nós, ele está na nossa alimento, no estabilidade da nossa mente, na nossa forma de agir, na disciplina.

As meninas também fazem lição de esquina e música e quero que elas tenham aulas de teatro logo, logo. Quero que escolham o rumo das suas vidas. Nós estaremos cá para orientá-las

Está sentindo falta das gravações, bastidores, eventos que envolvem sua curso?
Muita! Mas em breve estarei retornado às gravações. Já tenho um projeto incrível com previsão para junho.

Quais são seus atuais empreendimentos e áreas de trabalho fora da TV atualmente?
Estou muito focado em dois empreendimentos de muito sucesso! A Gracie Kore, minha ateneu/escola de Jiu Jitsu, que montei com minha mulher, cá no Rio de Janeiro e a clínica Mais Cabello, especializada em transplante capilar, que está em expansão por todo o Brasil. Por sinal, já fiz o meu procedimento. (Saiba mais sobre o transplante cá)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui