Dólar tem segunda queda seguida e fica aquém de R$ 5,60 com exterior

0
16

A perspectiva de encontrar uma solução para o Orçamento e a conversa de Bolsonaro com Putin, sobre a Sputnik V contribuíram para retirar pressão do câmbio (Crédito: Registro/Dependência Brasil)

O dólar teve o segundo dia seguido de queda perante o real, novamente com peso determinante do noticiário extrínseco, com os investidores animados pelas perspectivas de retomada da economia norte-americana e mundial, com o Fundo Monetário Internacional (FMI) melhorando suas previsões de desempenho oriente ano. A moeda americana caiu perante divisas fortes e emergentes, e na mínima no Brasil chegou a R$ 5,57, com a notícia de que a Califórnia planeja reabrir sua economia a partir de 15 de junho.

A perspectiva de que o governo vai encontrar uma solução para o Orçamento de 2021 e a conversa do presidente Jair Bolsonaro com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, sobre a vacina Sputnik V também contribuíram para retirar pressão do câmbio, ajudando o real a ter o melhor desempenho no mercado internacional nesta terça, considerando uma cesta de 34 moedas mais líquidas.

+ Bolsas de NY fecham em ligeiro baixa, com correção depois recordes

O FMI condicionou nesta terça à retomada da economia mundial justamente ao processo de vacinação em tamanho e o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse no período da tarde que a política fiscal mais importante neste momento é a vacinação da população.

No fechamento, o dólar à vista terminou em baixa de 1,41%, a R$ 5,5998 – o primeiro fechamento aquém de R$ 5,60 desde 23 de março. No mercado porvir, o dólar para maio era negociado em baixa de 1,34%, a R$ 5,5975 às 17h40.

Para o sócio e economista-chefe da JF Trust Gestão de Recursos, Eduardo Velho, a percepção de risco dos investidores sobre o Brasil ainda é subida, o que tem restringido a melhora do real. Nesse envolvente, o dólar tem encontrado dificuldade de tombar aquém do suporte de R$ 5,52. “É difícil ver o câmbio aquém disso, há muito risco no Brasil ainda, uma percepção de cautela.”

Assim, mesmo com subida liquidez mundial e preços das commodities em subida, o economista da JF observa que não tem havido fluxo consistente para o Brasil e o real segue desvalorizado. Por isso, oriente movimento de melhora no câmbio pode se mostrar pontual.

O Instituto Internacional de Finanças (IIF), formado pelos 500 maiores bancos do mundo, alertou que o Brasil permanece porquê um dos mais vulneráveis a um incidente de estresse no mercado internacional, porquê o ocorrido em 2013. A diferença, observa o IIF, é que naquele ano a maior vulnerabilidade da economia brasileira eram as contas externas deterioradas, e agora o risco é o lado fiscal. “O Brasil era segmento do grupo de cinco países mais frágeis em 2013 e permanece vulnerável hoje.”

O comentador de mercados do Western Union, Joe Manimbo, observa que o crescente otimismo com a economia americana, com alguns bancos, porquê o Goldman Sachs, prevendo propagação de mais de 7% oriente ano, e a elevação das taxas de retorno dos juros longos dos EUA vêm fazendo o dólar testar máximas em vários meses perante algumas moedas, porquê o iene. Para ele, o rápido progresso da vacinação nos EUA e a visão de aceleração da atividade devem seguir dando suporte ao dólar.

Veja também

+ Curso da Dez – Veja porquê ingressar na curso que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida gratuito e vai presa
+ Zona Azul do dedo em SP muda dia 16; veja porquê fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Eructar muito pode ser qualquer problema de saúde?
+ Tubarão é conquistado no MA com sobras de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Invenção oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui