Digitalização dos processos será legado pós-pandemia

0
20
Links Patrocinados

A exemplo de diversos segmentos da economia, a pandemia da Covid-19  trouxe mudanças no comportamento e no trabalho de muitos setores, principalmente no setor jurídico. Em Minas Gerais, O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) fez uma série de adaptações, que vão desde o trabalho em home office dos servidores públicos até audiências de instrução on-line, mas o que ficará porquê legado pós-pandemia?

O superintendente administrativo adstrito do TJMG, desembargador José Arthur de Roble Pereira Rebento, avalia que a pandemia trouxe um impacto muito grande em todos os setores da economia e no Judiciário não foi dissemelhante. “Houve mudanças significativas, o trabalho home office dos servidores, a digitalização de processos, tudo isso trouxe mudanças no nosso sistema de trabalho. No momento pós-pandemia, acredito  que os serviços home office e presencial devem permanecer”, prevê.

O desembargador José Arthur de Roble Pereira Rebento reforça que a digitalização dos processos é um caminho sem volta. “Vamos permanecer com esse trabalho não somente em seguida a pandemia porquê também durante toda a nossa gestão. Esse processo será potencializado, porque um dos problemas que estamos vivenciando hoje são esses fechamentos e aberturas de comarcas que dificultam a virtualização dos processos, mas a tempo e modo iremos entregar, assim espero, os nossos processos totalmente digitais”, explica.

A adoção de novas tecnologias, para o desembargador é uma opção para que haja uma ligeireza nas ações, tanto no atendimento dos advogados quanto nas resoluções dos processos. “Os serviços tornam-se dinâmicos e tanto os juízes quanto servidores e desembargadores conseguem de qualquer lugar prestar atendimento de forma a dar destreza ao processo”, argumenta o desembargador.

José Arthur de Roble Pereira Rebento lembra que, para o uso e permanência dessas tecnologias, não há mudança na legislação e sim, no regimento interno do TJMG. “Com novos serviços surgindo é preciso novos normativos internos, mas não há zero na Legislação, tudo isso é regimento interno”, afirma.

Para a fundadora do Congresso de Orientação de Carreiras Jurídicas (Cocaju), Rolse de Paula, o profissional do recta que não se conciliar às mudanças ficará para trás. As novas tecnologias estão presentes além dos escritórios e tomaram conta dos tribunais de Justiça na maioria dos estados. “Na região Sul do país, os processos são digitalizados desde 2012. Todos os documentos, distribuição dos processos, são feitos de maneira do dedo. Algumas cidades da região Setentrião e Sudeste também começam a viver essa veras”, observa.

Esse caminho era vivido unicamente em processos da esfera federalista. Com a pandemia, os tribunais de Justiça tiveram que trazer essa modalidade para os seus estados. “Grande segmento dos fóruns fechou as portas porquê todas as cidades e os processos não podem parar e essa foi a única opção”, destaca Rolse de Paula.

Para a advogada, a novidade tecnologia que vai além da digitalização de processos, porquê também as audiências de instrução on-line facilitam tanto para os advogados quanto para as partes envolvidas. “Não há deslocamento de responsável, vítima e testemunhas, as perguntas são diretas, rápidas e o juiz dá o entendimento sobre o caso e pronto. Isso é muito bom, principalmente para as áreas cíveis e de família”, pontua.

Aperfeiçoamento – O legisperito Gilberto Silva pondera no uso das novas ferramentas. Para ele, é preciso melhorar os equipamentos disponibilizados aos advogados. “É um sistema muito fragilizado, há grande instabilidade, morosidade e que não adianta em zero a vida do legisperito. Acredito que pós-pandemia há de se fazer uma melhora muito grande nesse sistema para que se torne eficiente”, opina.

Silva avalia que apesar do trabalho híbrido, algumas coisas ainda devem permanecer tradicionais, porquê audiências, depoimentos e coleta de provas, por exemplo. “Zero substitui o olho no olho. Isso diminui a chance de um julgamento inverídico. A uma orientação errada de um legisperito ou de uma tradução equivocada do juiz. São coisas que a tecnologia ainda não é capaz de substituir”, reforça.

Links Patrocinados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui