“Comprove depravação na economia porquê no governo dele”, diz Bolsonaro sobre Lula | Economia

0
14
Carolina Antunes/PR

Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) criticou Lula e elogiou PEC Emergencial

O presidente Jair Bolsonaro
rebateu as declarações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de que o governo não tem Ministério da Economia e desafiou a fundamentar esquemas de depravação na economia em seu procuração. Na tarde desta quarta-feira (10), Lula criticou as ações do ministro Paulo Guedes em geração de empregos e na redução do
auxílio emergencial

.

Questionado sobre a extensão do favor, Bolsonaro afirmou que não há a possibilidade de prorrogar além dos quatro meses previstos.

“Queria que ele apontasse qualquer ponto que depravação por secção do Ministério da Economia, o que era muito generalidade no governo dele. Esse era o governo dele, fundamentado em depravação”, afirmou.

“Por mais quatro meses estará estendido o auxílio emergencial. Nós estamos no limite da capacidade de endividamento. Se dermos novas parcelas teremos uma crise econômica, o dólar sobe, aumenta a inflação, a bolsa cai. Se ninguém produz zero, o caos acontece. Ele [Lula] sabe que a veras não é essa”, concluiu, rebatendo a enunciação de Lula que deveria ter talhado um valor maior para o favor.

Reformas

Jair Bolsonaro afirmou que aguarda a aprovação das
reformas administrativas

e tributária para colaborar na recuperação econômica. Ele ainda elogiou a votação da PEC Emergencial
na Câmara, que deve ser votada até o termo da noite desta quarta-feira (10).

Bolsonaro ressaltou a possibilidade de fatiar a Reforma Tributária
para facilitar as negociações e agilizar a aprovação do Congresso Vernáculo. As tratativas estão sendo feitas com o Ministério da Economia e a expectativa é de enviar a medida à Câmara neste primeiro semestre.

“A administrativa é mais tranquila porque serve para servidores públicos que entrarão agora. A tributária é mais complicada. Quando você quer resolver tudo, no final da risca a bancada dos governadores puxam para um lado, prefeitos para outro e oposição de outro lado. Eu tenho conversado com o Guedes para fatiar a medida para que ela avance”, afirmou.

Privatizações

Depois ser criticado por Lula pela iniciativa de privatizar estatais, Bolsonaro afirmou que “ninguém trabalha” no conjunto de esquerda. Em coletiva, o ex-presidente disse não ter urgência de privatizações.

“O Lula do PT de esquerda é estatizante. Você não encontra empresários, investidores no meio deles. Você não encontra ninguém que trabalha lá”, criticou Bolsonaro.  

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui