Comgás renova licença por mais 20 anos com Governo de SP e planeja investir 21 bilhões para gerar novos empregos na região

0
12

Colaborador da Comgás — Foto: Divulgação/Valor

Em nota nessa sexta-feira (1°), a Comgás informou que renovou com o governo de São Paulo por mais 20 anos a licença dos serviços de gás canalizado em boa secção do estado. A decisão foi contra parecer do Ministério da Economia e do setor de gás proveniente. A estimativa do Governo é que milhares de novas oportunidades de empregos sejam gerados nos próximos 20 anos, fomentando a economia e renda do estado.

Leia outras noticias relacionadas

Novos investimentos da Comgás prometem gerar empregos para a população de SP  

Em enviado ao mercado divulgado nesta sexta, a Comgás defendeu a prorrogação e antecipou investimentos na expansão da rede que favorece o consumidor ao resolver controvérsias sobre o contrato e modificar o índice de reajuste das tarifas. Ao todo, o contrato prevê aportes de R$ 21 bilhões.  

“É uma grande conquista para o estado de São Paulo”, diz, em nota enviada à prensa, o diretor-presidente da Companhia, Antônio Simões.” A Comgás tem mostrado que possui uma licença equilibrada, com investimentos robustos e sob um sistema regulatório moderno, podendo gerar benefícios para toda a sociedade, destravando nos empregos e rendas”.

Disputas no mercado de gás no Brasil aumentam à medida que o mercado livre se aproxima  

São Paulo, com seu decreto, tentou regulamentar um projeto de gasoduto de transporte de gás definindo-o porquê um gasoduto de distribuição, permitindo que fosse financiado por consumidores cativos de gás. A mudança poderia ter criado um mercado regional de gás em São Paulo, com regras próprias, só dos concorrentes no mercado recém-aberto. O instituto de petróleo e gás do Brasil, maior grupo de resguardo do setor no país, também elogiou a decisão da ANP. “Isso fortalece o processo de início de mercado e a competição”, disse.  

A chamada novidade lei do gás visa aumentar a competição e eficiência e reduzir custos, enquanto proíbe a estatal Petrobras de comprar gás diretamente na cabeça do poço a partir de janeiro e reduz seu domínio nos segmentos de gasodutos e refinarias.  

A venda planejada pela Petrobras da subsidiária de distribuição de gás Gaspetro para a Compass Gas é outro ponto crítico para a indústria de gás. A venda, em estudo pelo fiscalizador da concorrência CADE, incomoda secção do setor que vê o movimento porquê um passo na direção da integração vertical do maior mercado de gás do país, São Paulo.   

Os críticos da indústria afirmam que o negócio também transformaria a Compass em uma superpotência no setor, ao se expandir para o negócio de distribuição de gás canalizado nos 19 estados onde a Gaspetro tem parceria com governos locais. O processo pode ser retardado e pode ser potencialmente atado em batalhas judiciais.

Ilhota do gás em SP  

O setor de gás proveniente critica ainda a proposta de geração de uma “ilhota do gás” em SP, com a construção do gasoduto Subida da Serra, pela própria Comgás, e a interconexão das três distribuidoras do estaduais, separando estado do restante da malha vernáculo de gás.  

Em parecer entregue à Arsesp (Sucursal Reguladora de Serviços Públicos de São Paulo) a Seae (Secretaria de Advocacia da Concorrência e Competitividade) do Ministério da Economia avalia que a prorrogação reduz a competição no setor de gás e impacta as tarifas pagas por consumidores de outros estados.  

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui