Cincia e Tecnologia: Estado articula projetos em parceria com o Japo para orgnicos

0
25

Representantes do Paraná e da empresa japonesa Sandai, técnico na produção de fertilizantes orgânicos, se reuniram nesta sexta-feira (12), em Curitiba, para recitar uma parceria de negócios, no contexto do programa Paraná Mais Orgânico. O objetivo é implementar tecnologias de produção, comercialização e internacionalização de produtos orgânicos paranaenses.


A iniciativa faz segmento de uma série de projetos que vêm sendo alinhados com o Governo da Província de Hyogo no Brasil (Japão). Conduzida pela Superintendência Universal de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti), essa ação tem uma vez que principal finalidade promover cooperação internacional entre os dois países, nas áreas acadêmica e científica.


O coordenador de Ciência e Tecnologia da Seti, Paulo Renato Parreira, destacou a integração entre os segmentos produtivos empresarial e acadêmico, inclusive no Exterior, para o desenvolvimento de programas e projetos inovadores no território paranaense. “É fundamental erigir parcerias com empresas de referência internacional na produção orgânica, buscando novas tecnologias para serem replicadas no Paraná”, afirmou.


“Queremos estabelecer uma parceria com o Paraná e as universidades estaduais para fomentar a pesquisa e o desenvolvimento tecnológico, criando um resultado de sobranceiro valor associado”, salientou o presidente da Sandai, Tadahiro Yoshii.


Ele comentou sobre um projeto semelhante, desenvolvido com o suporte da Universidade Kansai, situada na Província de Osaka, e do Governo de Mianmar, um país localizado no sudeste asiático que promove cultivo orgânico, preparação do solo, gestão do histórico de cultivo e treinamento agrícola para pequenos produtores.


Iniciado em 2009, o Paraná Mais Orgânico é desenvolvido pela Seti, em parceria com as sete Universidades Estaduais, o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) e o Instituto de Desenvolvimento Rústico Iapar-Emater (IDR-Paraná).


De concórdia com informações do Ministério da Lavra, Pecuária e Provimento, o Paraná tem o segundo maior número de propriedades rurais com Certificação em Lavra Orgânica em todo o País. O Estado responde por 16,7% dos produtores certificados e por um totalidade de 3.624 propriedades.


A reunião contou ainda com a participação de outros gestores da Seti: Gisele Onuki, coordenadora de Ensino Superior, e Luis Paulo Gomes Mascarenhas, coordenador de Relações Internacionais. Pelo Escritório do Governo da Província de Hyogo no Brasil, estavam presentes: o diretor-presidente Nobuyuki Nagata, e as assessoras Cristiane Ueta e Megumi Hayashi.


MAIS ORGÂNICO 4.0 – A Seti lançou, recentemente, o programa Paraná Mais Orgânico 4.0., para contribuir com o processo de retomada econômica do Estado. Ao todo, serão aplicados R$ 2,5 milhões na produção de provisões orgânicos em micro e pequenas propriedades e agroindústrias ligadas à Lavra Familiar.


O programa prevê inovação tecnológica, chegada ao selo de conformidade orgânica e estratégias de comercialização coletivas e inovadoras, incentivando novos negócios. A expectativa é beneficiar muro de milénio agricultores com a melhoria da renda familiar, e pelo menos, 200 empresas industriais e de transacção de insumos para a produção orgânica, a partir do aumento das vendas.


INTERNACIONALIZAÇÃO – A interlocução entre o Paraná e o Governo da Província de Hyogo também abrange a promoção de intercâmbio acadêmico e científico, a partir da integração das universidades estaduais do Paraná no Humap, {sigla} em inglês para Hyogo University Mobility in Asia and the Pacific (ou Mobilidade da Universidade Hyogo na Ásia e no Pacífico, em tradução livre).


Instituído no ano 2000, o Humap consiste em uma rede internacional de intercâmbio entre instituições de ensino superior de 17 países, que tem uma vez que objetivo viabilizar intercâmbios entre estudantes universitários para melhorar a qualidade da ensino e da pesquisa, desenvolvendo talentos profissionais para o horizonte. A rede se baseia em dois pilares: intercâmbio internacional com bolsas de estudo para os estudantes; e intercâmbio acadêmico internacional, promovendo pesquisa colaborativa.


A estratégia estadual de internacionalização considera atrair pesquisadores do Exterior, interessados em se fixar no Brasil ou estabelecer parcerias com os pesquisadores brasileiros, principalmente nas áreas prioritárias, definidas pelo Parecer Paranaense de Ciência e Tecnologia (CCT PARANÁ).


ECONOMIA – No ano pretérito, o Convênio de Amizade e Cooperação entre o Paraná e a Província de Hyogo completou 50 anos. Ao longo dessas cinco décadas, a parceria resultou em diversas ações, principalmente no contexto econômico.


Cidades uma vez que Curitiba, Londrina, Maringá e Paranaguá, por exemplo, estabeleceram relações de intercâmbio com cidades japonesas de Hyogo, tais uma vez que: Nishinomiya, cidade coirmã de Londrina; Kakogawa, cidade coirmã de Maringá; Himeji; e Awaji-shi, cidade coirmã de Paranaguá.


Atualmente, o Paraná conta com três indústrias de Hyogo: na Região Metropolitana de Curitiba, a Sysmex, especializada em equipamentos, reagentes e softwares para exames laboratoriais, em São José dos Pinhais, e a Sumitomo Rubber, obreiro de pneus, em Herdade Rio Grande; e na região dos Campos Gerais, em Ponta Grossa, a Harima Kasei, líder mundial em resina sintética para tintas de sensação.


Em todo o mundo, a capital paranaense é a única cidade fora do Japão com um escritório de representação do Governo de Hyogo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui