Bibliotecas solidárias incentivam quem não tem hábito de ler em três estados

0
16

Transformar bibliotecas em centros culturais capazes de atrair crianças e jovens socialmente vulneráveis. Esse é o Bibliotecarte, um projeto da Montenegro Produções, que captou 100% dos recursos aprovados pela Lei Federalista de Incentivo à Cultura, junto a iniciativa privada e pessoas físicas.

O investimento chega para dar novo significado a oito bibliotecas sociais nos estados do Paraná, Santa Catarina e São Paulo, localizadas em escolas de instrução básica filantrópicas, mantidas pelo Grupo Marista.

A programação cultural traz conteúdos de incentivo à leitura, divulgação de obras, autores e ilustradores, tais uma vez que, por exemplo: contações de histórias, entrevistas com escritores e rodas de leitura.

O projeto prevê ainda a ambientação estética das bibliotecas, criando novos espaços de convívio e integração. A primeira obra foi entregue no início de fevereiro, na livraria do Escola Imaculada Conceição em Curitiba.

A unidade receberá essa releitura estética realiza mais de 900 atendimentos a partir das famílias e comunidade do entorno. Por mês, de entendimento com o projeto, receberão atendimento 110 famílias aquém da traço da pobreza com per capita mensal. Ou seja, subordinado a R$ 498 e 37 famílias aquém da traço da extrema pobreza com per capita mensal subordinado a R$ 172.

Uma vez que é a livraria e meio cultural

O projeto arquitetônico da livraria, assinado pela arquiteta Nonnie Fenianos, contempla geração de novos mobiliários, restauração de peças antigas e intervenções de arte.

“O incentivo a leitura envolve muitos itens desde psicológicos até físicos, e a arquitetura pode sim através de um bom projeto unir essas duas coisas e tornar o incentivo a leitura um pouco cultural, interessante se trazer nesse espaço um pouco que convide por si só”, explica a arquiteta.

Dessa forma, a proposta integra e amplia o propósito imprescindível do projeto. Pois promove ações de incentivo a leitura em ambientes cuja estética garanta acessibilidade e represente mais uma linguagem artística projetada.

“A entrega de um projeto só é efetiva quando cumprimos os objetivos que garantem sua sustentabilidade mesmo em seguida a realização. A novidade ambientação das bibliotecas representa a epílogo de um trabalho que integra cultura, instrução e ação social”, enfatiza Carolina.

A saber, o projeto foi viabilizado pela Lei Federalista de Incentivo à Cultura, com patrocínio Volvo, Novozymes, Grupo Potencial TKS, Impextrack e Frameport. As bibliotecas já tiveram o pilha ampliado, graças a compra de 4.000 livros e de mais de 80 equipamentos digitais.

E portanto, gostou da novidade?

Não deixe de ler também – Primeira livraria indígena de Mato Grosso é inaugurada

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui